PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Holanda nega refúgio a família armênia refugiada em igreja

21/12/2018 17h39

Haia, 21 dez 2018 (AFP) - Uma igreja holandesa indicou nesta sexta-feira (21) que continuará acolhendo uma família armênia, que está abrigada em seu interior há oito semanas para evitar a sua deportação, apesar da negativa do governo holandês de lhes conceder refúgio.

Após a rejeição do seu último pedido de refúgio, o que podia levar à sua extradição, a família Tamrazyan abandonou a sua casa no final de outubro e se refugiou em uma pequena igreja protestante holandesa.

Desde então, cerca de 650 pastores têm oficiado missas de forma constante, já que a polícia holandesa não pode entrar em um local de culto durante uma cerimônia religiosa.

"O secretário de Estado de Justiça, Mark Harbers, indicou claramente na quinta-feira que não vai usar seu poder discricionário de conceder uma autorização de residência à família Tamrazyan", anunciou nesta sexta-feira a igreja de Bethel, onde a família se refugiou.

"A Igreja Protestante de Haia não pode aceitar essa recusa e continuará acolhendo-a", afirmou em um comunicado.

Em casos excepcionais, o Ministério holandês da Justiça pode conceder uma autorização de residência a menores ameaçados por uma ordem de expulsão.

A igreja de Bethel, que esperava um um gesto por parte de Harbers na semana anterior ao Natal, "lamentou a posição dura e injusta" do secretário de Estado.

"Pouco antes do Natal, quando celebramos os atos de amor e paz de Deus com a humanidade, nos sentimos fortalecidos para não abandonar a nossa responsabilidade com a família Tamrazyan", declarou Theo Hettema, presidente da Igreja Protestante de Haia.

Contactado pela AFP, um porta-voz do secretário de Estado de Justiça argumentou que a situação não havia mudado e que sua posição permanecia a mesma.

A filha mais velha da família, Haryarpi Tamrazyan, de 21 anos, chegou à Holanda há nove anos acompanhada de seus pais, sua irmã de 19 anos e de seu irmão mais novo, de 14 anos.

"Meu irmão, minha irmã e eu crescemos aqui", explicou em meados de dezembro durante uma coletiva de imprensa.

A história da família Tamrazyan é semelhante a outro caso que comoveu a sociedade holandesa em setembro. Então, dois adolescentes, que estavam prestes a serem expulsos, finalmente receberam a permissão de Harbers para permanecer na Holanda.

smt/avz/eb/eg/cb

Internacional