PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Polícia egípcia mata 40 terroristas após ataque a turistas em Gizé

29/12/2018 16h50

Cairo, 29 dez 2018 (AFP) - Forças de segurança egípcias mataram neste sábado 40 homens suspeitos de terrorismo durante várias operações no Egito, um dia após o ataque a um ônibus turístico vietnamita, o primeiro em mais de um ano em um país que fez da luta antiterrorista uma prioridade.

Três turistas vietnamitas e seu guia egípcio foram mortos na sexta-feira pela explosão de uma bomba caseira na passagem do ônibus em que viajavam perto do local das Pirâmides de Gizé, nos arredores do Cairo.

O Ministério Público informou que uma investigação foi aberta sobre o ataque, que também deixou 11 turistas e o motorista do veículo ferido.

As operações foram dirigidas contra supostos combatentes jihadistas em Gizé, onde o ataque ocorreu, e no norte do Sinai (leste), de acordo com o ministério.

"Quarenta terroristas morreram em operações de segurança, 30 na região de Gizé e 10 no norte do Sinai", segundo a mesma fonte.

"Eles planejaram uma série de ataques contra o setor turístico, locais de culto cristão e forças de segurança", acrescentou.

O ministério não vinculou essas operações policiais com o ataque na sexta-feira - que não foi reivindicado -, mas uma fonte de segurança disse que eles foram realizados no sábado bem cedo, portanto, logo após o ataque.

- Frenesi turístico continua -Muitos turistas percorriam neste sábado o local das pirâmides de Gizé, perto do Cairo, um dia após o atentado.

"Acho que o terrorismo atinge todas as partes do mundo", considera Somang Yang, turista sul-coreana de 32 anos que se mostra muito tranquila.

Os ataques no Egito se multiplicaram, especialmente contra as forças de segurança e a minoria cristã copta, desde que o Exército derrubou o presidente islâmico Mohamed Mursi em 2013.

O presidente egípcio, Abdel Fata al Sisi, decretou estado de emergência após os ataques às igrejas em abril de 2017, uma medida continuamente renovada desde então.

O ataque na sexta-feira é o primeiro contra turistas desde julho de 2017. O crucial setor turístico egípcio foi muito afetado pela instabilidade política e pelos ataques de movimentos extremistas, como o grupo jihadista Estado Islâmico (EI), após a revolução de 2011, que depôs o todo-poderoso presidente Hosni Mubarak do poder

"Esse ataque enfraquece a mensagem do governo egípcio de que o país é seguro para os turistas", disse Zack Gold, especialista em questões de segurança no Oriente Médio e analista do centro americano de pesquisas CNA, falando à AFP.

A mídia egípcia exibiu neste sábado, na televisão e nas redes sociais, fotos dos supostos jihadistas mortos.

- Impacto -"Estamos todos muito chocados" ao ver homens ensanguentados, com o rosto borrado e uma arma na mão, em esconderijos, declarou à AFP Nguyen Nguyen Vu, 47 anos, irmão de um dos turistas assassinados, Nguyen Thuy Quynh, de 56 anos.

O ministro egípcio do Turismo anunciou que estava em contato com a embaixada do Vietnã para "facilitar os procedimentos de viagem para as famílias dos feridos que desejarem viajar ao Egito".

O maior ataque contra turistas, que foi o golpe mais duro para o setor, remonta a 31 de outubro de 2015.

O EI reivindicou a autoria de um ataque com bomba no qual 224 ocupantes de aviões russos foram mortos após a decolagem do resort de Sharm el-Sheikh, no Sinai.

O Egito registrou recentemente uma recuperação no setor de turismo, com 8,2 milhões de visitantes em 2017, segundo dados oficiais. Mas o país ainda está longe dos 14,7 milhões de turistas em 2010.

Internacional