PUBLICIDADE
Topo

'Só queremos ir para casa', dizem passageiros de cruzeiros com coronavírus

Imagem de navio de cruzeiro - Darren Stewart/Gallo Images via Getty Images
Imagem de navio de cruzeiro Imagem: Darren Stewart/Gallo Images via Getty Images

em Fort Lauderdale (EUA)

01/04/2020 23h04

Havia acabado de chover e o céu estava azul. "É lindo", diz Rick De Pinho, apreciando o ar fresco da varanda de sua cabine.

Parece perfeito, se não fosse por estar preso em um navio de cruzeiro estigmatizado pelo medo de contágio por coronavírus.

De Pinho, 53, e sua esposa Wendy, 49, estão entre os quase 800 passageiros a bordo do navio "Rotterdam" que esperam atracar amanhã no porto de Fort Lauderdale, no sul da Flórida.

Seu navio está na mesma situação que o "Zaandam", que está navegando no Caribe em direção ao sul da Flórida com quatro mortos e cerca de 200 pessoas a bordo que estariam aparentemente com o novo coronavírus, nove deles confirmados.

"Nós apenas queremos ir para casa", disse este advogado de patentes de Nova Jersey à AFP quando começou uma viagem à América do Sul no início deste mês, que prometia ser inesquecível.

E será.

"Somos um alvo fácil", acrescenta. "E quanto mais as pessoas passam aqui, maior a probabilidade de alguém ficar doente, e eu sei que quatro pessoas já morreram."

O "Zaandam", onde o casal estava viajando, tenta atracar desde 14 de março para levar seus passageiros de volta para casa.

Mas o Chile e os outros países sul-americanos em sua jornada pelo Pacífico fecharam todas as portas.

Em resposta, a empresa de cruzeiros Holland America - parte da Carnival Corporation - enviou o "Rotterdam" da Califórnia para dividir os passageiros em dois navios e despachar suprimentos e suprimentos médicos para o primeiro.

Muitos passageiros aparentemente saudáveis foram transferidos para "Rotterdam" e os dois navios cruzaram o Canal do Panamá no fim de semana.

Nas duas embarcações há um total de 1.243 passageiros e 1.247 tripulantes.

"Precisamos fazer a coisa certa e alguém para pensar em uma maneira de nos tirar do navio", diz Rick De Pinho.

"Você não pode ter esses dois navios à deriva. As pessoas querem ir para casa. Estamos bem, somos saudáveis. Só queremos ir para casa".

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, interveio hoje para garantir a retirada de canadenses e britânicos dos navios.

Enquanto isso, o governador da Flórida, Ron DeSantis, que inicialmente rejeitou a ideia de receber navios com coronavírus em seus portos, voltou atrás hoje e comentou que "certamente" aceitará a entrada dos americanos.

O navio está programado para chegar a Fort Lauderdale, 50 km ao norte de Miami, por volta do meio-dia de amanhã.

Uma comissão do condado de Broward deve decidir pela manhã se deve autorizar sua amarração.

"Isso está ficando mais absurdo. Estamos na água desde 14 de março. Já é uma piada do dia da mentira", diz Rick, referindo-se a 1º de abril como o dia da mentira para os americanos.

Sua esposa, Wendy, ponderou a conversa para enviar uma mensagem aos políticos que lidaram com esta crise: "Você se lembrará disso. Por favor, tome decisões corretas do ponto de vista humanitário e financeiro. Permita-nos atracar".

Coronavírus