PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus faz muitos jovens retornarem para a casa dos pais nos EUA

Christopher Furlong/Getty Images
Imagem: Christopher Furlong/Getty Images

02/04/2020 11h43

Eles são jovens, muitos deles estudantes, e esperavam partir para voos solo quando o coronavírus os privou de seus primeiros empregos, fechou suas universidades e os obrigou a voltar para a casa de seus pais.

"Tenho a impressão de ter retornado para a adolescência", afirma Joselynn Guzman, de 21 anos, que se mudou há alguns dias para a casa dos pais em Riverside, Califórnia. "Mas acredito que é um pouco o que todos sentem nos Estados Unidos neste momento".

De acordo com a consultoria Entangled Solutions, quase 15 milhões de estudantes nos Estados Unidos foram afetados pelas medidas de prevenção contra o coronavírus, que incluem o fechamento de centros de ensino e a adoção de aulas on-line.

Filha mais nova de um casal de imigrantes mexicanos, Joselynn iniciou os dias de liberdade quando entrou para a universidade de Chico State, a oito horas de carro da casa de seus pais, e quando encontrou emprego como caixa em uma loja, um trabalho que acaba de perder.

Atualmente ela assiste as aulas on-line do último período de Sociologia antes da formatura e afirma que sente-se "estranhamente dependente".

"Viver com meus pais despertou a menina em mim", reflete.

No primeiro ano da Faculdade de Enfermagem da Universidade Kent State (Ohio), Lauren Dalton não encara muito bem o retorno forçado, longe do dormitório no campus, onde era livre para ir e vir como desejava.

"Quando pego minhas chaves para sair é como na inquisição", afirma a jovem, entrevistada via Twitter. "Para onde vou, por quê e que horas vou retornar".

- "Tinha um plano!" -Mais que um intervalo um pouco estranho, para muitos este é um recuo que perturba o início da vida adulta.

Estudante da Universidade Oklahoma State, Kellie Lail tem apenas 22 anos, mas deixou a casa dos pais há cinco.

Ela estava fazendo o mestrado em Biologia e Química e tinha dois empregos: um na academia da faculdade, que perdeu quando o local fechou, e outro em um hospital pediátrico, suspenso porque foi considerado não essencial.

Kellie pensava em permanecer em sua própria casa, mas a pessoa com quem dividia o apartamento, que trabalha em um hospital, começou a ter contato com pacientes do coronavírus.

Inquietos com a propagação da pandemia em geral, mas sobretudo porque a filha tem um déficit imunológico, os pais da jovem pediram que ela retornasse a Lawton, sua cidade natal no estado de Oklahoma.

Kellie pretendia tirar um ano sabático e viajar antes de iniciar a carreira na Medicina. Seu primeiro destino seria o Festival de Cannes. Mas agora tudo está suspenso.

"Penso em partir (da casa dos pais) quando as coisas se acalmarem", explica.

"Gostaria de não ter retornado", afirma Wynter March, uma jovem estudante do segundo ano de Tecnologia da Informação na Universidade de Missouri.

"Quando você está tão acostumado a viver sozinho é difícil retornar para casa e seguir as regras familiares", explica.

"O que uma pessoa vive na adolescência e a entrada na idade adulta tendem a estruturar sua visão de mundo para o resto da vida", afirma Corey Seemiller, professora da Universidade Wright State e especialista na "Geração Z".

Esta geração, cujos integrantes mais velhos começam a entrar na vida profissional agora, "já estava muito preocupada por questões de dinheiro e era mais relutante ao risco", indica. "A pandemia e sua gestão aumentarão ainda mais seus medos".

"Tinha um plano! Tinha um emprego que me aguardava depois da formatura!", lamenta Sage, que foi obrigado a deixar o campus da universidade Portland State, no Oregon, para retornar com seus pais a Ashland, no mesmo estado, e se declara incapaz de seguir os cursos on-line.

"O problema para os estudantes que viviam no campus é que tiveram pouco tempo para encontrar outro lugar para morar de maneira independente", explica.

Com problemas psiquiátricos (como distúrbio bipolar, entre outros), Sage encontrou o equilíbrio na universidade, entre sua terapeuta, as caminhadas, as horas de voluntariado em um abrigo para animais e seu emprego na biblioteca.

Ao retornar para a casa da família encontrou um pai violento, em um contexto ainda mais delicado pelo confinamento.

Explica que que não deseja revelar o sobrenome para evitar a exposição.

Desde 20 de março, o relógio parou para Sage.

"Serei mentalmente estável o suficiente para voltar à faculdade? Minha irmã e eu falamos sobre dividir um apartamento, mas tudo depende de conseguirmos empregos na mesma cidade".

"Conseguirei encontrar um trabalho? Um apartamento? Não tenho ideia de como será o mundo quando tudo isto acabar".

Coronavírus