PUBLICIDADE
Topo

Argentina estende isolamento em Buenos Aires e região por causa da covid-19

Taxista usa máscara com a bandeira da Argentina em Buenos Aires durante pandemia do coronavírus - Ricardo Ceppi/Getty Images
Taxista usa máscara com a bandeira da Argentina em Buenos Aires durante pandemia do coronavírus Imagem: Ricardo Ceppi/Getty Images

em Buenos Aires (Argentina)

08/05/2020 23h15

O isolamento social obrigatório para enfrentar a pandemia do coronavírus em Buenos Aires e sua periferia continuará até 24 de maio, mas o resto da Argentina fará uma reabertura progressiva, anunciou o presidente Alberto Fernández.

"A situação é bastante controlada, mas a região metropolitana tem 86% dos casos em todo o país e o principal foco de contágio", disse Fernández em entrevista coletiva na residência oficial em Olivos, ao norte da capital.

O confinamento no país completou 50 dias hoje, dia em que foi divulgado um total 5.598 casos da covid-19, com 293 mortos e 1.659 pessoas recuperadas desde o início da pandemia.

"A área metropolitana tem a maior densidade populacional e o maior número de pessoas que vieram infectadas de outros países. A quarentena permanece até 24 de maio", disse Fernández.

Cerca de 14 milhões de pessoas vivem no maior conglomerado urbano do país, entre a capital e os 13 distritos que a rodeiam.

"A taxa de mortalidade no país é de 6 mortes para cada milhão de habitantes. Comparado com o resto do mundo, não estamos mal e a quarentena faz sentido", declarou o presidente.

Nas províncias, um plano para "reabertura progressiva de atividades industriais, comerciais e até recreativas" começará a ser implementado, conforme previsto pelas autoridades locais, acrescentou o chefe de Estado.

O governo federal toma as decisões após consultar um comitê formado por epidemiologistas e infectologistas.

"Alguns falam em abrir a economia, mas não vão torcer meu braço. Estamos cuidando da vida das pessoas", disse o presidente.

Coronavírus