PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Brasil terá 90 mil mortes por coronavírus até agosto, segundo nova projeção

Enterro de Denis Queiroz da Silva de 34 anos, vítima confirmada do coronavírus em Manaus - EDMAR BARROS/ESTADÃO CONTEÚDO
Enterro de Denis Queiroz da Silva de 34 anos, vítima confirmada do coronavírus em Manaus Imagem: EDMAR BARROS/ESTADÃO CONTEÚDO

Da AFP, em Washington

14/05/2020 17h04

Brasil terá cerca de 90 mil mortes por coronavírus até agosto, segundo projeção do centro americano que assessora a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), que antecipa o balanço estimado de 6 mil mortos no México, Peru e Equador, além de cerca de 700 falecimentos na Argentina.

O Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde (IHME), da Universidade de Washington, revelou nesta semana seu modelo de estimativas para a América Latina, cujas projeções são até 4 de agosto.

"Esta análise mostra na América Latina uma grande epidemia esperada no Brasil e depois epidemias menores, mas substanciais, no México, Peru e Equador, além de uma epidemia muito menor na Argentina", disse Christopher Murray, diretor do IHME, a jornalistas na última quarta-feira.

Foram estudados nove países da América Latina que já tenham tido mais de 50 mortes pelo novo coronavírus.

De acordo com os números recolhidos até 12 de maio, o Brasil seria o mais afetado, com 88.305 mortes, em um intervalo estimado entre 30.302 e 193.786. Por outro lado, a Argentina teria apenas 680 mortes (414 a 1.420).

Em comparação, o México totalizaria 6.859 mortes por covid-19 (3.578 a 16.795); Peru, 6.428 (2.731 a 21.724); e Equador, 5.215 (4.844 a 6.052).

A Colômbia teria 2.157 (793 a 5.890). O Panamá será o menos atingido, com 661 mortes (362 a 1.345), assim como o Chile, com 687 (421 a 1.417), e a República Dominicana, com 881 (595 a 1.435).

O risco do inverno austral

O modelo IHME leva em consideração a mobilidade (medida com aplicativos para telefones celulares), a sazonalidade (variações de temperatura), número de testes feitos per capita e a densidade populacional "como principais fatores para a potencialidade da transmissão", disse Murray.

O especialista disse estar ciente das dificuldades de contemplar os aspectos da saúde e da economia para a tomada de decisões, mas apontou que "do ponto de vista da saúde pública, não há sentido em afrouxar as medidas de distanciamento social quando ainda não se chegou ao pico das infecções".

O IHME alertou em comunicado que, em locais onde as infecções continuam a ocorrer e onde as evidências e o rastreamento de contatos não conseguem ser suficientes, diminuir o isolamento social pode prolongar a pandemia e levar a mais mortes, além de aumentar o risco de uma segunda onda de contágios.

Segundo Murray, para o Brasil o pico de contágio será atingido no final de junho. Ele ainda observou que o inverno na região sul "provavelmente piorará o cenário".

"No hemisfério norte, onde o aumento das temperaturas pode estar diminuindo um pouco a transmissão, o contrário poderia ser verdadeiro para os estados do sul do Brasil", com a chegada do inverno, afirmou.

Necessidade de mais testes no México

O IHME esclareceu que as estimativas para o Brasil e o México são resultado de dados de alguns estados, portanto as previsões nacionais são provavelmente mais altas.

No Brasil, o maior número de óbitos acumulados esperado para agosto é em São Paulo, que teria 36.811 (11.097 a 81.774), e no Rio de Janeiro, com 21.073 (5.966 a 51.901). A COVID-19 causaria ao menos 9.401 mortes acumuladas em Pernambuco, 8.679 no Ceará e 5.039 no Amazonas.

No México, o maior número de mortes é esperado na capital, a Cidade do México, com 3.414 (1.396 a 9.671) e na Baja California, com 1.171 (675 a 2.566).

Nos dois países, Murray enfatizou a necessidade de mais testes.

A quantidade de testes no México "é extremamente baixa para os padrões mundiais", então é provável que haja "muitos, muitos casos" que faltem ser registrados.

No Brasil "o número de testes não é tão baixo quanto no México, mas é muito baixo", acrescentou.

Ao revelar suas projeções, o instituto disse que "na ausência de uma ação para aumentar o número de testes, principalmente entre os estados que registram os maiores números da pandemia, a trajetória da COVID-19 pode piorar no México".

Coronavírus