PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Toque de recolher em uma Lagos deserta após dia de morte e violência na Nigéria

Um imóvel pega fogo em Lagos, Nigéria, durante toque de recolher - HANDOUT/via REUTERS
Um imóvel pega fogo em Lagos, Nigéria, durante toque de recolher Imagem: HANDOUT/via REUTERS

22/10/2020 15h42

Lagos, a capital econômica da Nigéria, continua hoje imersa em um toque de recolher, com suas ruas desertas e lojas fechadas, após dois dias de morte e violência depois da repressão violenta das manifestações pacíficas.

Ao menos 38 pessoas morreram na terça-feira em todo o país, entre elas 12 manifestantes em Lagos, onde o exército e a polícia dispararam com armas de fogo contra os protestos, especialmente na área de Lekki, segundo a Anistia Internacional.

Desde o início das manifestações há duas semanas, 56 pessoas morreram em todo o país, segundo essa ONG.

Milhares de jovens nas grandes cidades da Nigéria, inicialmente mobilizados via redes sociais, estão há 15 dias indo às ruas para denunciar a violência policial e a ineficácia e corrupção do poder central.

Nesta quinta-feira (22) vários disparos foram ouvidos e uma espessa fumaça preta emanava do teto da prisão central de Lagos, segundo uma jornalista da AFP. "Estão atacando a prisão", declararam os policiais perto do centro penitenciário.

Mas no meio da tarde "a situação se tranquilizou e parecia sob controle", segundo um morador perto do presídio.

- Silêncio do presidente - Dois dias após a repressão que gerou condenações em todo o planeta, o presidente nigeriano Muhammadu Buhari ainda não se dirigiu aos seus concidadãos. O silêncio está sendo muito criticado e várias personalidades pedem sua renúncia.

A polícia e o exército, acusados por essas mortes, negam qualquer responsabilidade.

Mas os vídeos gravados em Lekki mostram militares disparando sobre uma multidão que agitava bandeiras e cantava o hino nacional.

Essas imagens percorrem as redes sociais desde terça-feira e provocaram uma onda de indignação entre centenas de jovens.

Várias delegacias, as sedes de um canal de televisão e da Autoridade Portuária, assim como um terminal de ônibus, foram incendiados. Houve confrontos violentos entre as forças de segurança e jovens em vários bairros da cidade.

- Desaprovação internacional -A repressão das manifestações na terça-feira gerou uma grande condenação internacional.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, condenou nesta quinta-feira "o uso excessivo da força" por parte do Exército na Nigéria, depois da repressão sangrenta dos protestos pacíficos.

"Estados Unidos condena energicamente o uso excessivo da força por parte dos militares que dispararam contra manifestantes pacíficos em Lagos, causando mortes e feridos", disse Pompeo, pedindo que haja uma investigação imediata sobre o ocorrido.

A União Europeia, por sua vez, julgou "crucial que os responsáveis por esses abusos compareçam à Justiça e prestem contas", enquanto a ONU pediu "o fim da brutalidade e dos abusos policiais na Nigéria".

O candidato a presidência dos Estados Unidos Joe Biden pediu "ao presidente Buhari e aos militares que cessem a violenta repressão que custou a vida de vários manifestantes", escreveu em seu site.

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, considerou que "parece bastante claro que as forças nigerianas recorreram excessivamente ao uso da força, disparando e matando com balas reais".

bur-cma/thm/me/mb/aa

Internacional