PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Inglaterra amplia restrições para conter avanço do coronavírus

O premiê britânico, Boris Johnson -
O premiê britânico, Boris Johnson

30/10/2020 08h07

Londres, 30 Out 2020 (AFP) - Onze milhões de pessoas, o equivalente a 20% da população da Inglaterra, estarão em breve no maior nível de alerta contra o coronavírus imposto pelo governo de Boris Johnson, que hoje anunciou novas restrições em nível local para evitar um confinamento nacional.

A região de Nottingham, no centro da Inglaterra, passou hoje para o nível "muito alto" (o maior na escala de três) de alerta sanitário. Seus 830 mil habitantes não podem mais se reunir com pessoas de outras residências. Bares e "pubs" que não servem comida foram obrigados a fechar as portas.

A região de West Yorkshire, norte do país, sofrerá o mesmo destino a partir de segunda-feira (2), o que elevará para 11 milhões —dos 56 milhões de habitantes da Inglaterra— o número de pessoas submetidas ao maior nível de restrições.

Londres e seus nove milhões de habitantes estão no "nível alto", com a proibição de encontros em locais fechados com parentes e amigos que não moram na mesma casa.

Mais da metade da Inglaterra está no nível 2, ou 3. O nível 1 proíbe reuniões com mais de seis pessoas e estabelece o fechamento de bares e restaurantes às 22h.

"Em West Yorkshire, as taxas de infecção estão entre as mais elevadas do país e continuam aumentando rapidamente", afirmou o Ministério da Saúde hoje.

Os casos de covid-19 aumentaram 65% em uma semana no hospital de Leeds, principal cidade da região.

O Reino Unido é o país mais afetado da Europa, com mais de 45 mil mortes confirmadas por coronavírus.

Cada uma das quatro nações que formam o Reino Unido tem competência para decidir suas políticas contra a pandemia.

Os mais de três milhões de habitantes de Gales já estão submetidos a um novo confinamento, determinado pelo governo regional, mas Boris Johnson se esforça para evitar o retorno do confinamento geral na Inglaterra.

De acordo com um estudo científico realizado por várias universidades e laboratórios internacionais, citado pelo jornal "Financial Times", 80% dos atuais casos de contágio no Reino Unido corresponderiam a uma nova mutação do coronavírus, surgida durante o verão (hemisfério norte) em zonas agrícolas espanholas.

O estudo mostra, de acordo com o jornal, que a nova variante do coronavírus se propagou rapidamente pela Europa e já constitui a maioria dos recentes casos de covid-19 em diversos países.

Coronavírus