PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Papa pede fim à "espiral da morte" em Mianmar e no Oriente Médio

16.mai.2021 - Membros da comunidade italiana seguram uma faixa com referência a Mianmar durante fala do papa no Vaticano - Tiziana Fabi/AFP
16.mai.2021 - Membros da comunidade italiana seguram uma faixa com referência a Mianmar durante fala do papa no Vaticano Imagem: Tiziana Fabi/AFP

16/05/2021 11h36

O papa Francisco fez apelos pela paz em Mianmar e no Oriente Médio neste domingo (16), alertando especialmente contra a "espiral de morte e destruição" no conflito israelense-palestino.

Em uma missa especial por Mianmar, celebrada pela manhã na Basílica de São Pedro, o papa reiterou seus apelos para que cesse a violência no quarto mês de repressão sangrenta da junta militar contra a população civil.

Esta missa foi celebrada após vários apelos pela paz lançados nos últimos meses por Francisco, que visitou Mianmar em novembro de 2017, na primeira visita papal a uma nação predominantemente budista.

Em sua homilia, o pontífice argentino, de 84 anos, evitou denunciar abertamente o regime militar birmanês, que derrubou o governo eleito de Aung San Suu Kyi em 1º de fevereiro, e pediu aos fiéis que sejam "firmes na verdade". Pedindo para não perder a esperança.

"Queridos irmãos e irmãs, enquanto Mianmar, seu querido país, é marcado pela violência, pelo conflito e pela repressão, nos perguntamos: de que devemos cuidar? Em primeiro lugar, cuidar da fé", declarou.

Francisco apelou à unidade, chamando a divisão entre comunidades e povos de uma "doença mortal".

"Sei que algumas situações políticas e sociais são maiores do que vocês, mas o compromisso com a paz e a fraternidade nasce sempre da base. Cada um pode fazer a sua parte", disse.

"O ódio e a vingança"

"E onde há guerra, violência e ódio, ser fiel ao Evangelho e construtor da paz significa comprometer-se, também através das decisões sociais e políticas, arriscando a vida", continuou.

Após a tradicional oração do Angelus ao meio-dia, Francisco também alertou contra a "espiral de morte e destruição" nos confrontos no Oriente Médio, considerando a perda de vidas inocentes neste conflito como algo "terrível e inaceitável".

É preciso encontrar uma solução, "com a ajuda da comunidade internacional", acrescentando: "o ódio e a violência crescentes (...) são uma grave ferida à fraternidade e à convivência pacífica entre os cidadãos, difícil de curar senão imediatamente aberto ao diálogo."

"Muitas pessoas ficaram feridas e muitos inocentes morreram. Entre eles também há crianças, e isso é terrível e inaceitável", disse o papa.

"Eu me pergunto: para onde vão o ódio e a vingança? Será que realmente pensamos em construir a paz destruindo o outro?", continuou, pedindo calma aos responsáveis para "fazer cessar o rugido das armas e percorrer os caminhos da paz, também com a ajuda da comunidade internacional".