Conteúdo publicado há 2 meses

Venezuela oferece serviço de identidade nacional aos moradores de Essequibo, território contestado da Guiana

A Venezuela abriu um escritório do serviço de identificação e migração (Saime) perto do Essequibo, território em disputa com a vizinha Guiana, com a intenção de oferecer documentos de identidade aos moradores desta região, informaram as autoridades locais neste domingo (10).

O escritório abriu no sábado na cidade mineira de Tumeremo (estado de Bolívar, na fronteira com o Essequibo), que o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, decretou como área político-administrativa "provisória" para tratar de temas relacionados com o território que reivindica.

Depois da realização do controverso referendo na Venezuela, no domingo passado, quando 95% dos eleitores apoiaram a inclusão do Essequibo como parte do território venezuelano, Maduro anunciou a criação de uma autoridade única para a Guiana Essequiba, como nomeou este território administrado pela Guiana.

Trata-se de um passo anterior à criação de um eventual estado, cuja capital provisória é Tumeremo.

O general Alexis Rodríguez Cabello, autoridade única designada para o Essequibo, acompanhou a abertura do escritório do Saime, que "beneficiará a população de Tumeremo e do Essequibo", segundo um comunicado do governo de Bolívar, divulgado neste domingo.

Não está claro como será o trâmite para que qualquer um dos 125.000 habitantes do Essequibo, que têm documentos guianenses, peçam a nacionalidade venezuelana, sobretudo porque Tumeremo fica a pelo menos 100 km de San Martín de Turumbán, cidade venezuelana mais próxima fronteiriça com o território disputado.

"Há pessoas que temos cédulas vencidas, perdidas, roubadas, extraviadas e deterioradas", disse à AFP María Graterol, uma administradora de 52 anos. "Graças a Deus, isto (o escritório) é um fato", acrescentou.

Em Tumeremo também vai funcionar uma "zona de defesa integral", uma divisão militar territorial, sobre a qual não foram divulgados maiores detalhes.

"Melhorias para o povo"

A região disputada tem 160.000 km2 de extensão, é rica em petróleo e minerais e é reivindicada pela Venezuela há mais de um século.

Continua após a publicidade

Caracas alega que o território lhe pertence, como em 1777, quando era colônia espanhola, e apela ao acordo de Genebra, assinado em 1966, antes da independência guianense do Reino Unido, que estabelecia as bases para uma solução negociada e anulava um laudo de 1899.

Já a Guiana defende este laudo, que estabelece seus limites atuais e pede que a Corte Internacional de Justiça (CIJ), cuja jurisdição Caracas não reconhece, o ratifique.

A disputa se intensificou após as descobertas de grandes reservas de petróleo pela gigante de energia americana ExxonMobil, das quais a Guiana dispôs. E desde então, o tom escalou para um nível que a comunidade internacional pediu a distensão e que se evite um conflito armado.

Maduro, presidente da Venezuela, e Irfaan Ali, presidente da Guiana, têm prevista uma reunião em São Vicente e Granadinas na próxima semana para discutir o tema.

Para além da disputa territorial, moradores de Tumeremo acreditam que a autoridade única trará melhorias para a população que, assim como muitos na Venezuela, enfrenta grandes carências econômicas e serviços públicos precários.

"Benefícios (...) para o povo", afirmou o comerciante Robert Reyes, de 32 anos. "Que acabe a questão (dos cortes) de luz, de água, das ruas, que estão mais deterioradas. Que comecem a pôr a mão na massa".

Continua após a publicidade

O comerciante Luis Romero, de 62 anos, por sua vez, espera que tudo resulte em "gerar emprego para as pessoas, em produzir moradias".

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora