Conteúdo publicado há 1 mês

Trump rejeita a proibição federal do aborto e diz que os estados devem decidir

O direito ao aborto deve ser deixado à decisão de cada governo estadual dos Estados Unidos, disse nesta segunda-feira (8) o candidato republicano Donald Trump, ao mesmo tempo que rejeita uma lei que proíbe esta prática a nível federal. 

"Minha opinião é que agora que temos o aborto onde todos queriam do ponto de vista legal, os estados irão determiná-lo por voto ou legislação ou talvez as duas coisas. O que decidirem deve ser a lei do país, neste caso, a lei do estado", disse Trump, que certamente será o candidato presidencial republicano, em um vídeo publicado na sua rede social Truth Social.

Essas palavras surgiram após semanas de questionamentos sobre qual seria sua posição sobre o assunto, depois que o The New York Times publicou, em fevereiro, que ele havia dito a seus assessores que gostava da ideia de uma proibição federal do aborto a partir das 16 semanas, mas que hesitava em torná-la pública para não incomodar seus apoiadores mais conservadores. 

Uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos - promovida por três indicados por Trump - deixou aos estados em 2022 a tarefa de legislar sobre esta questão.

Alguns promulgaram proibições quase totais do aborto, enquanto outros, como Maryland, aprovaram leis para legalizá-lo. 

Muitos conservadores esperam que uma proibição federal possa derrubar leis como a de Maryland. 

O adversário de Trump na disputa pela Casa Branca, o presidente Joe Biden, e os democratas lembram regularmente que as pesquisas mostram que a maioria dos americanos se opõe a uma proibição federal.

Os republicanos sofreram diversas derrotas eleitorais, mesmo em estados considerados conservadores, como o Arkansas, que têm sido ligadas à posição contrária do partido em relação ao aborto. 

Em seu vídeo, Trump disse ser "firmemente a favor de exceções para estupro, incesto e vida da mãe", ideia que foi defendida pelo ex-presidente republicano Ronald Reagan (1981-89). 

Continua após a publicidade

E voltou a dizer que apoia "firmemente" o acesso à fertilização in vitro para "casais que tentam ter um bebê lindo. O que poderia ser mais bonito ou melhor do que isso?", disse ele.

st/jfx/dga/aa/fp

© Agence France-Presse

Deixe seu comentário

Só para assinantes