Roraima: atendimento a venezuelanos no SUS cresceu 2,3 mil vezes em quatro anos

Letycia Bond - Repórter da Agência Brasil

Maiioria dos venezuelanos entra no Brasil pela fronteira com Roraima Graziele Bezerra/Arquivo/Agência Brasil

O secretário de Saúde de Roraima, Marcelo Batista, afirmou hoje (22) que o volume de atendimentos a venezuelanos nas unidades hospitalares do estado no ano passado foi 2.349 vezes maior do que o de 2014. Batista informou que, no ano inicial de referência, a rede atendeu 766 pacientes venezuelanos e, em 2017, 18 mil.

Um exemplo da sobrecarga no Sistema Único de Saúde são os 180 partos de venezuelanas feitos ao longo de janeiro em apenas uma das maternidades que atendem pelo SUS. Normalmente, a média era de 15 a 20 partos por dia, lembrou Batista, que participou, nesta quinta-feira, da reunião da Comissão Intergestores Tripartite, na sede da Organização da Pan-Americana da Saúde (OPAS), em Brasília.

No encontro, Marcelo Batista comentou o cenário relativo ao sarampo no estado, onde já foram notificados oito casos da doença, dos quais sete ainda estão sob investigação. A confirmação da doença em uma criança venezuelana, confirmada no último dia 11, por profissionais da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), rompeu um quadro epidemiológico estável no país, que, desde 2015, havia vencido totalmente o sarampo.

"A partir dessa confirmação, tentou-se fazer o bloqueio [da cadeia de transmissão do vírus] de todas as pessoas com quem a criança teve contato, pois ela vivia em um abrigo e depois foi morar em uma praça", disse o secretário à Agência Brasil. O sarampo, cujos sintomas mais brandos incluem febre, erupções cutâneas e conjuntivite, pode, em um grau mais severo, afetar o estado nutricional de crianças acometidas pela doença, originando até mesmo pneumonia.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) denunciou, no fim de janeiro, a desnutrição infantil entre os venezuelanos, problema que se torna mais grave se for levado em conta o fato de que a letalidade do sarampo é elevada quando os infectados vivem em condições socioeconômicas desfavoráveis. Grande parte dos venezuelanos que chegam ao Brasil tem permanecido em espaços públicos, motivo pelo qual São Paulo e Manaus vão acolher esses estrangeiros.

A prefeitura de Boa Vista, hoje com aproximadamente 332 mil habitantes, estima que cerca de 40 mil venezuelanos tenham deixado o país natal e passado a residir na capital roraimense, após o agravamento da crise econômica e política.

Marcelo Batista destacou a inexistência de uma "barreira sanitária" em cidades adjacentes à Venezuela, como Pacaraima, que, situada a 200 quilômetros de Boa Vista, foi parte do itinerário percorrido pela menina de 1 ano, que foi trazida ao Brasil pela mãe. Segundo o secretário, tal barreira, que consistiria na restrição de entrada a quem não foi devidamente imunizado, é prioridade máxima. "Pedimos, diariamente, que isso seja regularizado, para que, lá na fronteira, seja cobrada a carteira de vacinação e que seja instalado, no local, um posto de vacinação."

De acordo com o secretário, na capital, a cobertura vacinal é de 80% na primeira dose e 79% na segunda, índices inferiores aos 95% preconizados pelo governo federal. Ele destacou que a situação em municípios interioranos, como Cantá, a 30 quilômetros da capital, e na "bastante povoada" Rorainópolis, a 290 quilômetros, no sul do estado, é ainda mais crítica. As duas cidades têm população estimada, respectivamente, em cerca de 16.900 e 28.200 habitantes, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e Pacaraima, em torno de 12.300.

Dados divulgados em 2014 indicam que as taxas de mortalidade infantil são de 24,86, 22,62 e 14,79 óbitos por mil nascidos vivos.

A orientação do Ministério da Saúde é que as doses de vacina sejam fornecidas a pessoas com idade entre 12 meses e 29 anos. A primeira dose deve ser aplicada aos 12 meses, com a vacina tríplice viral. Aos 15 meses, recomenda-se a vacina tetra viral, que corresponde à segunda dose da tríplice viral e uma dose da vacina (varicela). Pessoas na faixa de 30 a 49 anos devem receber uma dose da vacina tríplice viral.

Nesta quarta-feira (21), a Secretaria Estadual de Saúde de Roraima emitiu um alerta para que todas unidades de seu sistema reforcem a vigilância contra o sarampo e notifiquem a ocorrência de qualquer caso suspeito em até 24 horas. Mesmo antes de o diagnóstico ser confirmado, as equipes de saúde deverão fazer o isolamento respiratório do paciente e coletar amostras para exames de sangue, urina e secreção por via nasal e pela faringe.

Malária

Além das demandas por cuidados relacionados ao sarampo, os venezuelanos têm necessitado de tratamento contra malária. "No nosso hospital de Pacaraima, 90% dos atendimentos são feitos a venezuelanos e, desse total, 70% é por malária", afirmou o secretário.

Embora não haja vacina contra a doença, é possível adotar medidas de prevenção, como o uso de mosquiteiros, repelentes e de telas em portas e janelas. Obras que visem não deixar brechas para que o mosquito Anopheles se multiplique nas moradias, por exemplo, são ações de maior relevância para o combate à doença. A malária é tratada com comprimidos.

No Brasil, a maior incidência é na região amazônica, nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, de Mato Grosso, do Pará, de Rondônia, Roraima e do Tocantins. Apesar da maior concentração nesse território, nas demais regiões, os casos evoluem mais frequentemente para óbito.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos