Alckmin confirma descoberta de 4º volume morto do Cantareira

Em São Paulo

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), confirmou nesta quarta-feira (11) que foi descoberto um quarto volume morto no sistema Cantareira. Segundo o governador, a quarta "reserva técnica", tem volume estimado de 40 milhões de metros cúbicos, o que equivale a aproximadamente 4% da capacidade total do manancial quando ele está cheio.

"Na estação de Piracaia, na reserva de Cachoeira, se verificou que abaixo do chamado zero você ainda tem uma reserva de água que poderá ser utilizada, uma parte inclusive sem obras de engenharia e outra parte com obras". O governador não deu mais detalhes sobre o possível uso dessa quarta cota.

Questionado sobre a possibilidade de um rodízio no fornecimento ser adiado por conta das chuvas recentes em São Paulo, Alckmin repetiu que o rodízio é uma decisão técnica da Sabesp e que não há definição sobre a adoção da medida, mas sinalizou que o corte de abastecimento será evitado enquanto for possível.

"Rodízio é consumir menos água. Se nós conseguirmos isto sem precisar fechar a torneira, é melhor", afirmou, argumentando que a medida do governo de diminuir o desperdício dando desconto na conta de água garantiu uma economia de 100 bilhões de litros nos últimos meses.

Alckmin aproveitou para anunciar "boas notícias". Mostrou o crescente índice de chuvas dos últimos dias em planilhas e comunicou que foram iniciadas ontem as obras para interligar o rio Guaió à estação de Tratamento de Água (ETA) de Suzano, na Grande São Paulo.

A obra deve ficar pronta em maio, disse o governador, e adicionar 1 m³/s à ETA de Suzano. Assim como as obras de interligação da Billings para o sistema Alto Tietê, a interligação do Guaió é feita diretamente pela Sabesp, sem necessidade de licitação.

O governador confirmou ainda que a as obras da Billings devem começar ainda este mês. A primeira entrega dessa obra deve adicionar 2 m³/s à mesma ETA de Suzano também até maio e, posteriormente, outros 2 m³/s. Totalizando nesse conjunto de obras 5m³/s.

Alckmin argumentou que as iniciativas serão importantes para aproveitar a capacidade da ETA que hoje é de tratar 15m³/s, mas apenas 10,5 m³/s estão sendo tratados por causa da estiagem.

Dessalinização

Perguntado sobre a possibilidade de se tratar água do mar para consumo, Alckmin disse que está em estudo, mas que é uma alternativa cara para a região metropolitana.

"É uma hipótese que o presidente da Sabesp está estudando. Se estivéssemos em beira-mar, seria bastante factível. O problema é, a 700 metros de altura, o custo que você vai ter", disse comentando também a alta nos preços de energia elétrica, que é um tema delicado para o governo federal.

O governador, no entanto, disse que o presidente da Sabesp, Jerson Kelman, é "um craque" e que saberá avaliar a partir dos estudos se é uma alternativa viável.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos