Engenheiro diz que Dilma foi avisada sobre Pasadena

O engenheiro Otávio Pessoa Cintra afirma, de acordo com a revista Veja, que a presidente Dilma Rousseff foi avisada sobre as irregularidades na compra da refinaria de Pasadena (EUA). Ele ocupou o cargo de gerente da Petrobrás América, braço da estatal com sede em Houston, no Texas, e ainda é funcionário da Petrobrás.

Essa testemunha secreta era Cintra. Ele afirmou à revista Veja ter certeza de que Dilma foi avisada das irregularidades. "O Paulo César, assessor do Bittar, me confirmou. Quando estourou a Operação Lava Jato, tivemos outro encontro, em 2014, no mesmo Edifício Di Paoli. O Paulo falou: ‘O pior é que sua denúncia foi levada à Casa Civil e ao Gabrielli’. A Dilma e o Gabrielli sabiam. O Bittar foi à Casa Civil e ao Gabrielli. Eu só tomei conhecimento agora em 2014 que a Dilma sabia de tudo", disse.

Em depoimento de delação premiada, o ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró afirmou que a compra da refinaria rendeu propina para os envolvidos no negócio. O senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) também confirmou em delação as irregularidades na compra da refinaria e citou Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Conforme revelou o Estado em março de 2014, a presidente deu aval para a compra da primeira metade da refinaria, em 2006. Ao jornal, ela justificou que o então diretor da Petrobrás Cerveró omitiu cláusulas prejudiciais do contrato. Do contrário, alegou, vetaria o negócio, hoje considerado um dos piores já feitos pela Petrobrás - o Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu que houve prejuízo de US$ 792 milhões.

Lula

Cintra também disse ter tentado avisar Lula. "Em uma cerimônia (no Chile), salvo engano em 2013, um representante do Itamaraty me colocou sentado ao lado dele, e me apresentou como funcionário da Petrobrás. Pensei em aproveitar a oportunidade e falar com o ex-presidente, mas não foi possível. O ex-presidente tinha bebido um pouco de uísque, me olhou, deu um tapa forte no meu peito e disse, sorrindo: ‘Petrobraaasssss’. Aí todo mundo riu, mas não teve jeito de conversar com ele."

Ainda de acordo com Cintra, ele foi perseguido na estatal depois ter feito a denúncia a Gabrielli e teme pela vida dele e de seus familiares. A Petrobrás e o Planalto não se manifestaram até a publicação desta reportagem. À revista Veja, o ex-deputado Jorge Bittar negou as afirmações.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos