Delator cita R$ 10 milhões para campanha do tucano Taques

De Brasília

  • Antônio Cruz/Agência Brasil

    O tucano Pedro Taques, governador de MT

    O tucano Pedro Taques, governador de MT

O empresário Giovani Guizardi afirmou em acordo de delação premiada que o esquema de corrupção na Secretaria Estadual de Educação (Seduc) do Mato Grosso, investigado na operação Rêmora, teve origem na necessidade do pagamento de dívidas de campanha do tucano Pedro Taques ao governo, em 2014. O empresário relatou ter repassado R$ 300 mil para o candidato e ouvido de outro empresário integrante do esquema, Alan Malouf, que outros R$ 10 milhões teriam sido "investidos" na campanha de Taques.

A operação investiga irregularidades em licitações para construção e reforma de escolas realizadas pela pasta de Educação em outubro de 2015. O esquema, segundo o Ministério Público (MP), envolve servidores públicos e empresários. De acordo com o MP, os funcionários públicos recebiam informações privilegiadas sobre as licitações e organizavam reuniões com empreiteiros para fraudar a livre concorrência do processo licitatório.

Sobre os R$ 10 milhões para Taques, Guizardi afirmou: "No final do ano de 2014, Alan Malouf mencionou que investiu a quantia de R$ 10 milhões na campanha do atual governador Pedro Taques, valor este não declarado, tendo dito também que teria de recuperar esse valor investido junto ao Estado". Malouf é casado com Jamille Guizardi, prima do delator.

Guizardi narra que foi Malouf quem o inseriu no esquema que já existia na pasta. Segundo o delator, em março de 2015, ele procurou Malouf para solicitar que sua empresa, a Dínamo, pudesse "trabalhar" na Seduc.

Por meio de nota, o governador informou que "tomou as medidas que lhe competiam". Taques disse lamentar o envolvimento de seu nome no caso e refutou "qualquer tentativa de envolvê-lo em qualquer ato ilegal". Ainda na nota, Taques afirmou que sua prestação de contas da campanha de 2014 foi aprovada sem ressalvas. A defesa de Malouf não respondeu aos contatos da reportagem.

O PSDB de MT enviou nota com esclarecimentos, veja abaixo:

"Sobre a citação de Giovanni Guizardi, o deputado federal Nilson Leitão (PSDB) vem a público esclarecer que:


- primeiramente não conhece o delator e nunca teve nenhum contato com ele;

- nunca participou de qualquer reunião com qualquer político, secretário ou qualquer construtora para discutir obras da pasta da Educação;

- a 'dedução' do delator é no mínimo irresponsável, pois em depoimento ele tem que dizer o que sabe, e não sobre o que deduz ou imagina, como ocorreu;

- na delação não há nenhum tipo de comprovação sobre algum ato ilícito do parlamentar;

- não se especificou de que modo teriam ocorrido os aventados depósitos, o que impede o exercício do contraditório e da ampla defesa;

- mesmo com foro privilegiado, Nilson Leitão coloca o extrato bancário à disposição das autoridades e da sociedade, além de qualquer outra informação que venha colaborar com a justiça e a população;

- em respeito aos mato-grossenses, é importante que sejam investigadas as verdadeiras motivações daqueles que misturam denúncias verdadeiras com afirmações nitidamente falsas, sem nenhum tipo de comprovação, com o claro intuito de tumultuar as investigações.

ASSESSORIA DE IMPRENSA
"

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos