PUBLICIDADE
Topo

Alerj mantém tarifa social ao privatizar empresa de saneamento

Movimentação na Alerj antes da votação para venda da Ceade, nesta segunda-feira (20) - Paulo Carneiro/Agência O Dia/Estadão Conteúdo
Movimentação na Alerj antes da votação para venda da Ceade, nesta segunda-feira (20) Imagem: Paulo Carneiro/Agência O Dia/Estadão Conteúdo

No Rio

21/02/2017 16h18

Os deputados estaduais do Rio aceitaram nesta terça-feira, 21, uma emenda ao projeto de lei que autoriza a venda da estatal de águas e esgoto Cedae, obrigando o Estado a usar um total de R$ 3,5 bilhões em empréstimos para quitar salários atrasados dos servidores públicos. Outra emenda, que obriga a Cedae, ao ser privatizada, a manter a tarifa social que estiver cobrando na ocasião, também foi aprovada.

O texto-base do projeto foi aprovado na segunda-feira, 20, na Assembleia Legislativa fluminense (Alerj) e, nesta terça-feira, os deputados votam, separadamente, 16 de um total de 211 emendas. Até as 15h45, os deputados tinham votado quatro emendas e uma foi retirada pelo autor.

A privatização da Cedae é exigida pelo governo federal como contrapartida do plano de recuperação fiscal, firmado com o Rio no fim de janeiro.