PUBLICIDADE
Topo

Novo tiroteio impede acesso de bombeiros à Rocinha

Constança Rezende

Rio de Janeiro

26/10/2017 14h10

Um intenso tiroteio entre policiais e traficantes ocorreu na favela da Rocinha, na zona sul do Rio, por volta de meio-dia desta quinta-feira, 26. Por causa da troca de tiros, um transformador de energia foi atingido e pegou fogo. Uma equipe do Corpo de Bombeiros foi impedida por policiais militares de atender à ocorrência devido à falta de segurança na região. Segundo a Light, técnicos da concessionária também foram até o local e "não tiveram acesso à comunidade, por conta dos tiroteios".

"Os reparos só serão feitos quando houver condição de segurança para os técnicos trabalharem", informou a concessionária, por meio de nota. Segundo a Polícia Militar, a "orientação" foi dada aos bombeiros porque "o fogo já havia apagado e tendo em vista também que há uma operação policial em andamento na comunidade".

A Polícia Militar informou que traficantes atacaram policiais a tiros na Rua 4 e na localidade conhecida como Valão. O transformador incendiado fica na Rua 1. Criminosos também atiraram contra policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha. O Batalhão de Ações com Cães (BAC) apreendeu maconha em três tabletes e 2,5 mil trouxinhas. Um suspeito foi preso.

Menina de 12 anos

O confronto ocorreu em menos de 24 horas depois uma menina de 12 anos ter sido atingida por uma bala perdida na Rocinha, quando saía de uma igreja. A bala perfurou a barriga e saiu por uma das nádegas da criança. Ela passou por cirurgia de mais de três horas no Hospital Municipal Miguel Couto e o seu quadro é considerado estável.

Testemunhas contaram que o tiro partiu da arma de um criminoso encapuzado que tentava assaltar um supermercado próximo. Ele teria disparado na direção do dono do estabelecimento, que tentou fugir do local.

A Rocinha permanece sob ocupação policial, devido à disputa pelo tráfico de drogas entre os bandos de Rogério Avelino da Silva, Rogério 157, e Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, preso na penitenciária federal de Rondônia. Na segunda-feira, 23, um dos policiais militares que atuam na favela, o tenente David Ribeiro, de 30 anos, matou com um tiro a turista espanhola Maria Esperanza Ruiz, que estava em um carro com vidros escuros. A Polícia alega que o veículo não atendeu a uma ordem para parar, mas os ocupantes do automóvel negam ter visto a determinação dos PMs para que parassem.