Topo

Colégios particulares de SP vão parar nesta sexta-feira

Cris Faga -5.dez.2017/Fox Press Photo/Estadão Conteúdo
Protesto contra a Reforma da Previdência, no Masp Imagem: Cris Faga -5.dez.2017/Fox Press Photo/Estadão Conteúdo

Isabela Palhares

2019-06-12T17:13:00

12/06/2019 17h13

Ao menos 33 colégios particulares de São Paulo vão ter as atividades suspensas ou interrompidas parcialmente nesta sexta-feira, 14, em adesão à greve geral no país contra a reforma da Previdência. Em assembleia, professores e estudantes dessas unidades aprovaram a participação na paralisação.

Segundo o Sindicato dos Professores de São Paulo, entre os colégios que já aprovaram a greve estão o Equipe, Oswald de Andrade, Notre Dame, Escola da Vila, São Domingos, Vera Cruz e Santa Cruz. Em alguns deles, as atividades só serão suspensas em um período ou para alguma etapa de ensino.

O Colégio Santa Cruz, no Alto de Pinheiros, zona oeste da capital, diz que os professores decidiram participar da greve, aderindo de forma parcial. Por isso, as aulas estão mantidas.

Já no colégio Equipe, em Higienópolis, no centro da capital, a direção enviou aos pais uma carta nesta terça-feira (11), comunicando a adesão dos professores e funcionários e a suspensão das aulas nesta sexta. A reposição do dia letivo já foi marcada para o dia 29 de julho.

"Entendemos que o papel social desta escola ultrapassa os muros da nossa instituição, assim, nos vemos mobilizados a defender a educação em contextos mais amplos, de forma política, democrática e suprapartidária", diz carta enviada pelos professores.

Dentre os pontos que discordam da proposta da reforma previdenciária enviada ao Congresso, está o fato de que os professores deixarão de ter reconhecida uma aposentadoria especial.

A escola de educação infantil Jacarandá, no Pacaembu, decidiu pela suspensão das aulas sob a justificativa de que a greve de várias categorias, como bancários e trabalhadores dos transportes públicos, "compromete as possibilidades de deslocamento na cidade e a segurança de todos".

Luiz Barbagli, presidente do sindicato, disse que mais escolas devem paralisar as atividades. "Muitos professores ainda estão fazendo assembleia e se organizando para enviar cartas aos pais e à direção dos colégios para informar a decisão. Parar as atividades em escola particular nunca é fácil, mas entendemos que é necessário diante dessa situação".

Além de protestar contra a proposta da reforma da Previdência, os professores também incluíram na pauta críticas à política de educação do governo Jair Bolsonaro, como o bloqueio orçamentário, corte nas bolsas de pós-graduação e ataques às universidades federais.

Os professores das redes municipal e estadual de São Paulo também estão mobilizados para paralisar as atividades das escolas públicas nesta sexta-feira.

Veja lista preliminar de escolas particulares:

A adesão à greve geral foi decidida em assembleia da categoria no Sindicato dos Professores de São Paulo, dia 1º de junho.

  • Alecrim
  • Ânima
  • Arco
  • Aretê
  • Arquidiocesano
  • Arraial das Cores
  • Bakhita
  • Casa de Aprendizagens
  • Criarte
  • Equipe
  • Escola da Vila
  • Espaço Brincar
  • Fazendo Arte
  • Garcia Yago
  • Giordano Bruno
  • Gracinha
  • Hugo Sarmento
  • Invenções
  • Ítaca
  • Lycée Pasteur
  • Maria Boscovitch
  • Micael Waldorf
  • Notre Dame
  • Ofélia Fonseca
  • Oswald de Andrade
  • Politeia
  • Pré-escola Quintal do João Menino
  • Santa Cruz (parcial)
  • Santi
  • São Domingos
  • Vera Cruz
  • Viva
  • Waldorf São Francisco

Mais Cotidiano