PUBLICIDADE
Topo

Comércio de rua volta a funcionar oficialmente no Rio

27.jun.2020 - Movimentação no Saara, centro comercial popular na região central do Rio de Janeiro - Dikran Junior/Agif - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo
27.jun.2020 - Movimentação no Saara, centro comercial popular na região central do Rio de Janeiro Imagem: Dikran Junior/Agif - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo

Fábio Grellet e Daniela Amorim

Rio

27/06/2020 13h33

Após três meses de restrições em função do combate à pandemia do novo coronavírus, o comércio de rua do município do Rio de Janeiro voltou a abrir as portas a partir de hoje, das 11h às 17h, sob autorização do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos-RJ).

O plano de flexibilização das ações de combate à covid-19 no município previa a liberação de funcionamento do comércio de rua apenas em 2 de julho, mas a medida foi antecipada por Crivella. Segundo a Prefeitura, a antecipação da abertura ocorreu após avaliação do conselho científico que assessora o prefeito em medidas relativas à pandemia.

Os salões de beleza de rua também estão liberados para funcionar no mesmo intervalo de horário dos estabelecimentos comerciais. Desde o dia 22, os salões de beleza estavam autorizados a funcionar, desde que estivessem dentro de shoppings. Os estabelecimentos de rua agora também podem reabrir, mas todos os salões só podem oferecer serviços de cabelo e manicure - depilação, design de sobrancelhas e outros serviços seguem proibidos.

As lojas devem funcionar com metade de sua capacidade de lotação e as portas abertas para ventilação do ambiente. Funcionários e clientes precisam manter distanciamento entre si, e o banheiro deve oferecer material para que o cliente lave as mãos. Já os salões de beleza podem receber, no máximo, um terço de sua capacidade total, sem fila de espera, apenas com agendamento prévio. Não é permitido que sirvam comida ou bebida.

Rio - Dikran Junior/Agif - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo  - Dikran Junior/Agif - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo
Pedestres passam pela região do Saara, centro de comércio popular no Rio de Janeiro
Imagem: Dikran Junior/Agif - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo

Na prática, muitas lojas de rua já tinham voltado a funcionar na capital fluminense, embora ainda não estivessem autorizadas a abrir. Em Copacabana (zona sul), lojas de utensílios domésticos, roupas e sapatos funcionaram normalmente ontem, véspera da liberação pela prefeitura.

Segundo o prefeito, a curva de mortes no Rio está em queda. Segundo ele, nesta quinta-feira (25), o município do Rio teve 164 sepultamentos, enquanto que no mesmo dia do ano passado, sem a covid-19, foram 200 enterros.

"Ontem, tivemos 36 sepultamentos a menos do que no dia 25 de junho de 2019, o que mostra realmente que as curvas estão caindo", afirmou.

Crivella confirmou que a partir de 2 de julho serão autorizados a reabrir bares, restaurantes e academias de ginástica. Bares e restaurantes poderão funcionar até as 23h, e academias terão de fazer um agendamento de alunos, para evitar aglomeração.

Coronavírus