PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Conteúdo publicado há
1 mês

Especialistas falam que só restrição no estado de SP não é suficiente

João Doria, governador de São Paulo, anunciou ontem medidas mais restritivas contra a pandemia - Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
João Doria, governador de São Paulo, anunciou ontem medidas mais restritivas contra a pandemia Imagem: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

João Ker

São Paulo

23/01/2021 06h58

As restrições de mobilidade foram encaradas por especialistas ouvidos pelo Estadão como um avanço no combate à covid-19. No entanto, consideram que elas são insuficientes para conter a transmissão do vírus.

"Eu vi avanço na alteração do Plano São Paulo. Muitas cidades regrediram para a fase vermelha e todo o Estado está no mínimo na fase laranja, o que mostra a gravidade da situação", aponta Domingos Alves, professor de medicina da Universidade de São Paulo de Ribeirão Preto.

Para ele, as medidas "são de desespero", uma maneira de sinalizar para a população que ações estão sendo tomadas para conter o coronavírus, mas não suficientes. "Não existem evidências de que elas contenham a taxa de transmissão."

"Isso vem de uma posição equivocada do secretário de Saúde do Estado, que dizia que a transmissão maior vinha de quem se aglomerava à noite em bares e restaurantes. Mas isso desconsidera quem precisa pegar trem e ônibus para trabalhar ou atende nos comércios, por exemplo", aponta Alves.

Presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Renato Kfouri acredita que as medidas sozinhas não conseguirão diminuir a taxa de transmissibilidade.

"Infelizmente, dependemos muito do comportamento das pessoas. O problema não está no shopping, no comércio ou na academia, porque você pode estar em um serviço essencial que nunca fechou e estar aglomerado, sem máscara e sem distanciamento", avalia. "Tão importante quanto essas medidas é o comportamento das pessoas".

Kfouri acredita ser o momento de "aumentar as restrições" e ainda encara com preocupação o potencial de contágio do vírus em eventos noturnos, especialmente nas festas clandestinas que têm se alastrado pelo País.

"É um absurdo fazer baladas e aglomerações desnecessárias em pandemia. Essa questão de 'sou jovem, assumo o risco e não estou prejudicando ninguém' não é verdade porque impacta toda a comunidade", afirmou o especialista.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Saúde