Navio-sonda que fará a perfuração de poço na Margem Equatorial segue para RN, diz Petrobras

A Petrobras informou nesta quarta-feira, 6, que o navio-sonda responsável pela perfuração do poço de Pitu Oeste partiu ontem do Rio de Janeiro em direção à locação no Rio Grande do Norte. A perfuração, prevista para começar ainda em dezembro na concessão BM-POT-17, marcará o retorno da Petrobras à Margem Equatorial, que se estende do Rio Grande do Norte ao Amapá ao longo da costa brasileira.

A estatal lembra que recebeu do Ibama, em outubro, a licença de operação para perfuração de poços exploratórios, em águas profundas da Bacia Potiguar, na Margem Equatorial brasileira.

No âmbito da mesma Licença ambiental, a Petrobras planeja perfurar o poço Anhangá, na concessão POT-M-762, a 79km da costa do estado do Rio Grande do Norte e próximo ao poço Pitu Oeste.

"Em nosso Plano Estratégico 2024-2028 está previsto o investimento de US$ 3,1 bilhões em atividades exploratórias na Margem Equatorial. Esse esforço já dá a medida da confiança em que depositamos no potencial dessa faixa do litoral brasileiro, muito promissora e fundamental para garantirmos a segurança energética do país", explicou em nota o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates.

Segundo a empresa, Pitu Oeste será o terceiro poço da concessão BM-POT-17 e a previsão é de que a sua perfuração dure de 3 a 5 meses. O último poço dessa concessão foi perfurado em 2015. A sonda contratada pela Petrobras estava na Baía de Guanabara para limpeza de casco e abastecimento.

O diretor de Exploração e Produção da Petrobras Joelson Falcão Mendes destaca que o poço de Pitu Oeste significa a retomada das atividades na Margem Equatorial e ajudará a financiar a transição energética da empresa.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora