CPI da Braskem, para apurar impactos da extração de sal-gema em Maceió, será instalada na terça

Será instalada na próxima terça-feira, 12, no senado, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Braskem. A sessão inaugural, às 15h, será dirigida pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), autor do pedido de abertura e parlamentar mais velho indicado para a comissão. Neste primeiro encontro, será eleito o presidente dos trabalhos, que é o responsável por nomear o relator e o vice-presidente. A comissão deve se debruçar sobre os impactos da extração de sal-gema pela empresa em Maceió (AL), que provocou o afundamento de bairros e a retirada de milhares de pessoas de suas casas. O acordo feito pela companhia com a prefeitura também estará no alvo dos senadores.

Um pouco antes da abertura da CPI, às 11h, Renan Calheiros se encontrará com aliados no gabinete do senador Omar Aziz (PSD-AM). Esta conversa prévia tem por finalidade articular as estratégias a serem tomadas durante a comissão.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), leu, em 24 de outubro, o texto de abertura da CPI no plenário da casa, mas os trabalhos não começaram pela indefinição dos integrantes. Até o dia 1º de dezembro, apenas o MDB havia indicado seus dois nomes para compor a comissão. Neste momento, nove senadores foram indicados para participarem dos trabalhos. Ao todo, deve-se ter 11 parlamentares titulares.

A iniciativa tem grande resistência dentro do Congresso e do governo. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), rival de Renan Calheiros e aliado do prefeito de Maceió, João Henrique Caldas (PL), por exemplo, é contra a investigação. Já o governo considera inoportuna uma CPI na reta final do ano, com as pautas econômicas travadas no Senado. Esta investigação também pode respingar na Petrobras, que é uma das acionistas da Braskem.

Esta CPI tem por objetivo investigar a Braskem, empresa responsável por minas de extração de sal-gema que ameaçam desabar em Maceió. O prefeito João Henrique Caldas decretou, em 30 de novembro, estado de emergência por 180 dias na cidade. Uma decisão judicial ainda determinou a saída de 27 famílias de área considerada de risco. Desde 2018, mais de 50 mil pessoas já precisaram deixar suas residências por conta do problema.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes