Diante de líderes muçulmanos no Egito, papa condena 'violência em nome de Deus'

No Cairo

Em um discurso iniciado com a tradição saudação árabe "Assalamu 'alaikum" ("Que a paz esteja com vocês"), o papa Francisco fez uma dura crítica nesta sexta-feira (28) ao terrorismo religioso, ao visitar no Cairo a Universidade de Al-Azhar, centro de referência de estudos teológicos do Islã.

Falando a dezenas de participantes da Conferência Internacional pela Paz e ao lado do imã Ahmad al-Tayyib, o papa disse que, "como religiosos, é nosso dever desmascarar a violência que se disfarça de suposta sacralidade".

"Somos obrigados a denunciar as violações contra a dignidade humana e os direitos humanos, a levar luz às tentativas de justificar qualquer forma de ódio em nome da religião e a condená-la como falsificação idolátrica de Deus", afirmou Jorge Mario Bergoglio.

"Somente a paz é santa, e nenhuma violação pode ser perpetrada em nome de Deus, porque profanaria seu nome", garantiu. Ao lado do imã islâmico, o líder católico também demonstrou união no combate ao terrorismo.

"Repetimos um forte e claro 'não' a qualquer forma de violência, vingança ou ódio cometida em nome da religião ou em nome de Deus. Juntos, afirmamos a incompatibilidade entre violência e fé, entre acreditar e odiar.  

Juntos, declaramos a sacralidade de toda vida humana contra qualquer forma de violação física, social, educativa ou psicológica", disse.   

Em seu discurso, Francisco também criticou o populismo demagógico, ressaltando que ele "que não ajuda a consolidar a paz e a estabilidade".

Já o imã sunita disse que o "islã não é uma religião de terrorismo, como nem o cristianismo nem o judaísmo são".

A visita do papa à Universidade Al-Azhar, o mais prestigioso centro acadêmico do mundo sunita, era um dos compromissos de maior expectativa em torno da viagem de Francisco ao Egito.

O papa aterrissou no Cairo por volta das 9h no horário de Brasília nesta sexta-feira (28), em sua primeira viagem internacional em 2017, com o declarado objetivo de promover a paz entre as religiões e tentar apaziguar o clima de guerra e perseguição religiosa no país.   

"Essa será uma viagem de união, de fraternidade", disse o líder católico aos jornalistas que o acompanharam no voo de Roma à capital egípcia, confessando nutrir "uma expectativa especial para essa visita", já que parte de um convite de todas as lideranças do Egito, desde o presidente Abdel Fattah al-Sisi, até o papa Tawadros 2º, da Igreja Ortodoxa de Alexandria, e pelo próprio imã sunita.

Caças da Força Aérea egípcia escoltaram avião

A segurança no aeroporto do Cairo também foi reforçada de maneira sem precedentes, já que o país enfrenta vários atentados terroristas cometidos por grupos extremistas, entre eles o Estado Islâmico (EI), que explodiu há 20 dias duas igrejas cristãs coptas, matando mais de 30 pessoas.

"Os caças escoltaram o avião desde sua entrada no espaço aéreo egípcio, enquanto helicópteros monitoravam ruas próximas ao aeroporto e por onde o comboio do Pontífice passará pelo Cairo", disseram fontes locais.

Logo após chegar ao país, o papa foi recebido no palácio presidencial por Abdel Fatta al-Sisi com uma cerimônia militar na presença de ministros, entre eles o chanceler Sameh Shoukry.   

Em seguida, o líder católico se dirigiu à Universidade Al-Azhar. Francisco ficará no Egito até este sábado (29).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos