Opaq confirma uso de gás sarin em ataque químico na Síria

WASHINGTON, 29 JUN (ANSA) - Um relatório da Organização para a Proibição das Armas Químicas (Opaq) confirmou a utilização de gás sarin ou similar no ataque tóxico realizado na Síria no último dia 4 de abril.   

A operação causou cerca de 90 mortes e provocou um bombardeio de retaliação dos Estados Unidos contra a base militar de Shayrat, controlada pelo regime do presidente Bashar al Assad e de onde teria partido o ataque químico.   

O relatório servirá como base para uma investigação conjunta da Opaq e das Nações Unidas para estabelecer a responsabilidade pelo episódio. Embora os EUA e outras potências ocidentais atribuam o ataque a Damasco, Assad e a Rússia acusam grupos rebeldes.   

A ação foi realizada na cidade de Khan Sheikhun, que está sob poder do grupo terrorista Fatah al Sham, antiga frente al Nusra e ligada à Al Qaeda. O gás sarin é uma substância inodora e incolor classificada internacionalmente como arma de destruição em massa.   

Assad já foi acusado em diversas ocasiões de usar armamentos químicos, mesmo depois do acordo com a Opaq para destruir esse arsenal. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos