Trump declara crise dos opiáceos como 'emergência pública'

WASHINGTON, 26 OUT (ANSA) - Em pronunciamento na Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou nesta quinta-feira (26) "emergência de saúde pública" na crise dos opiáceos, que, segundo dados oficiais, mata mais de 33 mil pessoas por ano no país.   

Segundo o republicano, trata-se da "maior crise sanitária" da história norte-americana. "Mas podemos ser a geração que colocará fim a essa crise", disse, lembrando que o abuso de opiáceos (substâncias derivadas do ópio, como heroína e morfina) causa cerca de 100 mortes por dia nos EUA.   

"Essa epidemia é uma emergência sanitária nacional e, como americanos, não podemos permitir que isso continue", acrescentou. O presidente havia criado uma comissão para estudar possíveis respostas à crise, mas pretendia declarar "emergência nacional", que pode obter mais recursos do que uma "emergência pública".   

Atualmente, o governo conta com apenas US$ 57 mil para as ações de combate aos opiáceos, mas a Casa Branca se comprometeu a buscar novos fundos com o Congresso. A decisão de "rebaixar" a crise levanta dúvidas na oposição sobre o real interesse de Trump em reduzir o consumo de opiáceos, uma vez que essa batalha pode colocar em jogo os interesses econômicos de grandes indústrias farmacêuticas.   

A crise foi declarada "epidêmica" em 2011, mas começara ainda nos anos 1990, com a difusão de novos remédios analgésicos à base de ópio, mais eficazes, porém com um risco muito maior de causar dependência. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos