PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Em carta, senador John McCain faz supostas críticas a Trump

27/08/2018 18h53

WASHINGTON, 27 AGO (ANSA) - O senador John McCain, morto no último sábado (25) em decorrência de um câncer no cérebro, deixou uma carta de despedida para os norte-americanos, na qual afirma que a grandeza dos Estados Unidos é enfraquecida quando se confunde "patriotismo com rivalidades tribais", uma suposta crítica ao presidente Donald Trump.   

"Nós enfraquecemos a nossa grandeza quando confundimos patriotismo com rivalidades tribais que semearam ressentimento, ódio e violência em todos os cantos do globo", diz um trecho da carta lida por Rick Davis, porta-voz da família do republicano, nesta segunda-feira (27).   

De acordo com o texto, o enfraquecimento acontece "quando nos escondemos atrás de muros, em vez de derrubá-los, e quando duvidamos do poder dos nossos ideais, em vez de confiar neles para ser a grande força de mudança que sempre foram".   

A mensagem pode ser considerada uma crítica ao magnata, que tem como um de seus principais projetos a construção de um muro na fronteira com o México. Em sua carta póstuma, McCain também disse a seus compatriotas norte-americanos para não se desesperarem com as "dificuldades atuais". "Os americanos nunca desistem. Nós nunca nos rendemos.   

Nós nunca nos escondemos da história. Nós fazemos história", afirmou o senador. Além disso, ele se declarou uma das pessoas mais sortudas do mundo. " Tentei servir nosso país honradamente. Cometi erros, mas espero que meu amor pela América pese favoravelmente contra eles. Tenho observado muitas vezes que sou a pessoa mais sortuda do mundo. Assim me sinto mesmo enquanto me preparo para o fim da minha vida. Amei a minha vida, toda ela", acrescentou.   

Durante a leitura da carta, Davis também ressaltou que o presidente Donald Trump não comparecerá ao funeral do senador, nem à homenagem póstuma que haverá para ele em Washington. "O presidente não estará, pelo que sabemos, no funeral. Isso é apenas um fato", disse.   

Nesta segunda, Trump se manifestou sobre a morte e ordenou a baixar a meio mastro a bandeira dos Estados Unidos hasteada em todos os edifícios públicos do país. "Apesar de nossas diferenças políticas, respeito o serviço prestado pelo senador John McCain a nosso país e, em sua honra, assinei uma ordem para hastear a meio mastro a bandeira dos Estados Unidos até o dia do seu enterro", declarou o republicano em um comunicado. O corpo de McCain será velado na assembleia Legislativa do Arizona na próxima quarta-feira (29). Dois dias depois, seguirá para o Capitólio. O vice-presidente, Mike Pence, será o representante do governo na cerimônia. O funeral ocorrerá no domingo (2), na Academia Naval em Annapolis, Maryland.(ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Internacional