PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Itália isola Milão, Veneza e mais 13 províncias por causa do novo coronavírus

28.fev.2020 - Turistas usam máscaras de proteção na Galleria Vittorio Emanuele 2º, um dos principais pontos turísticos de Milão - Miguel Medina/AFP
28.fev.2020 - Turistas usam máscaras de proteção na Galleria Vittorio Emanuele 2º, um dos principais pontos turísticos de Milão Imagem: Miguel Medina/AFP

08/03/2020 04h36

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, assinou na madrugada deste domingo (8) um decreto que coloca em isolamento a Lombardia, cuja capital é Milão, e mais 14 províncias de outras quatro regiões, incluindo Veneza, por causa da epidemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

O texto proíbe a entrada e saída nesses territórios, a não ser por "comprovadas exigências de trabalho, situações de necessidade ou motivos de saúde". Além da Lombardia, polo financeiro e industrial do país, o decreto engloba as províncias de Pádua, Treviso e Veneza, no Vêneto; Modena, Parma, Piacenza, Reggio Emilia e Rimini, na Emilia-Romagna; Pesaro e Urbino, em Marcas; e Alessandria, Asti, Novara, Verbano-Cusio-Ossola e Vercelli, no Piemonte.

A princípio, as restrições valem até 3 de abril e, segundo Conte, a polícia será autorizada a pedir explicações aos cidadãos que estiverem nas ruas. "Haverá uma mobilidade reduzida", declarou o primeiro-ministro, acrescentando que pessoas que moram nessas áreas e estão em viagem poderão voltar para casa.

A região e as 14 províncias afetadas abrigam 18,4 milhões de habitantes, o que equivale a cerca de 30% da população da Itália. Além disso, englobam alguns dos principais polos industriais do país, além de dois concorridos destinos turísticos: Milão e Veneza. "Eu assumo a responsabilidade política deste momento, mas vai dar certo", disse Conte, em uma coletiva de imprensa às 2h30 da madrugada (hora local), em Roma.

De acordo com o primeiro-ministro, não será uma "proibição absoluta aos deslocamento", mas será preciso "justificá-los".

"Não vamos parar tudo, mas vamos entrar na lógica de que há regras a serem respeitadas", reforçou. Bares e restaurantes das áreas afetadas só poderão abrir das 6h às 18h, e sob a condição de garantir distância mínima de um metro entre os frequentadores. Quem não respeitar as normas pode ter a atividade suspensa.

As 11 cidades que já estavam em isolamento, que ficam na Lombardia e no Vêneto, seguirão a partir de agora as regras do novo decreto. O texto também prevê algumas medidas de alcance nacional, como o fechamento de teatros, cinemas e museus, a proibição de deslocamento para pessoas em quarentena (inclusive domiciliar) e a recomendação para indivíduos com febre superior a 37,5ºC ficarem em casa, independentemente de terem o novo coronavírus ou não.

O Sars-CoV-2 já infectou ao menos 5.883 pessoas na Itália, segundo balanço divulgado neste sábado (7) pela Defesa Civil, sendo que 233 pacientes morreram. Do total de 5.061 casos ainda ativos, 1.843 indivíduos estão em isolamento domiciliar; 2.651 estão internados com sintomas; e 567 foram levados para terapia intensiva.

A Lombardia e as 14 províncias isoladas concentram quase 70% do total de casos confirmados no país.

Saúde