PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

AstraZeneca deve entregar documentação de vacina em 1 semana

O laboratório AstraZeneca e a universidade de Oxford anunciaram que sua vacina tem eficácia de até 90% na prevenção de covid-19 -                                 REUTERS/Dado Ruvic
O laboratório AstraZeneca e a universidade de Oxford anunciaram que sua vacina tem eficácia de até 90% na prevenção de covid-19 Imagem: REUTERS/Dado Ruvic

01/12/2020 09h12

A multinacional AstraZeneca deve entregar a documentação para aprovação da vacina anti-Covid desenvolvida pela Universidade de Oxford em até uma semana.

A informação é de Pietro Di Lorenzo, presidente e CEO da empresa italiana de biotecnologia IRBM, que participa do projeto do imunizante desde seu início.

"A AstraZeneca está reunindo toda a documentação, todo o pacote a ser entregue às agências regulatórias. Confio que esse pacote estará pronto e entregue em até uma semana", declarou o executivo a uma TV universitária.

A IRBM tem sede em Pomezia, na província de Roma, e produziu cerca de 13 mil doses para as fases 2 e 3 de ensaios clínicos da vacina de Oxford no Reino Unido.

A candidata é uma das mais promissoras para frear a pandemia, especialmente pelo seu baixo custo de produção e pelo fato de poder ser conservada em condições normais de refrigeração, mas virou alvo de questionamentos na semana passada.

Em 23 de novembro, a AstraZeneca, multinacional responsável pela produção e distribuição global da vacina, divulgou que o medicamento tinha apresentado eficácia de até 90% na prevenção da Covid-19.

De acordo com a empresa, o pico de eficiência foi alcançado com um regime de meia dose seguida de uma dose inteira, com intervalo de 15 dias entre elas. No entanto, mais tarde a AstraZeneca revelou que essa combinação era fruto de um erro e que idosos não foram submetidos a essa dosagem.

Isso levantou questionamentos da comunidade científica sobre os resultados preliminares do ensaio clínico e fez a multinacional anunciar a necessidade de estudos "complementares" para confirmar a eficácia.

Coronavírus