PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

No Afeganistão, reitor de universidade proíbe mulheres e parafraseia Trump

Sala de aula dividida por cortina em Universidade de Cabul; novo reitor da instituição falou em política de "Islã primeiro" - Reuters
Sala de aula dividida por cortina em Universidade de Cabul; novo reitor da instituição falou em política de 'Islã primeiro' Imagem: Reuters

Em Roma (Itália)

28/09/2021 12h08

O novo reitor da Universidade de Cabul, capital do Afeganistão, Mohammad Ashraf Ghairat, usou as redes sociais hoje para afirmar que a instituição não permitirá que mulheres estudem ou trabalhem até que um "ambiente islâmico" for criado no local.

"Eu dou minha palavra como reitor da Universidade de Cabul. Enquanto um ambiente islâmico não for criado para todos, mulheres não poderão ir para a universidade ou trabalhar. Islã primeiro", escreveu, parafraseando o "America First" da campanha de Donald Trump.

Na postagem seguinte, ao saudar a chegada de um professor para a instituição, Ghairat usou outro slogan do ex-presidente norte-americano: "Faremos a Universidade de Cabul grande novamente".

A conta no Twitter foi criada neste mês, quando o reitor foi nomeado para o posto. Ghairat, que tem apenas 34 anos, não tem nenhuma experiência em instituições de ensino e a única informação disponível sobre ele é que tem "um diploma de bacharelado".

Em outras postagens, o responsável pela universidade disse que estava trabalhando para criar esse "ambiente islâmico", treinando professores homens para dar aulas para mulheres.

Na visão deturpada que os fundamentalistas do Talibã tem do Alcorão, homens e mulheres não podem dividir a mesma sala ou terem aulas com pessoas do sexo oposto.

No primeiro governo do grupo, entre 1996 e 2001, elas foram impedidas de ter acesso ao ensino em qualquer fase da vida e sequer podiam sair de casa sem a companhia de um homem.

Durante os 20 anos de ocupação dos Estados Unidos e das forças ocidentais, as mulheres conseguiram fazer alguns avanços importantes no Afeganistão, como acessar o mercado de trabalho e ter uma vida mais livre.

No entanto, desde que o Talibã retomou o poder, em 15 de agosto, elas já perderam diversos direitos. A justificativa é que as instituições e os funcionários públicos "não estão preparados" para lidar com mulheres e que essa é uma medida de segurança.

A retórica é bastante semelhante ao do primeiro governo que nunca permitiu que elas pudessem ser alfabetizadas ou estudar assuntos de seu interesse.

Internacional