Filho de Biden é alvo de novas acusações por evasão fiscal

WASHINGTON, 8 DEZ (ANSA) - Hunter Biden, filho do presidente dos Estados Unidos, Joe, foi acusado na última quinta-feira (8) de envolvimento em um esquema de evasão fiscal, segundo o Departamento de Justiça.   

As nove novas acusações contra Hunter, sendo três fiscais e outras seis fiscais de contravenção, foram apresentadas pelo promotor especial David Weiss. Caso seja condenado, ele poderá ter que cumprir pena de até 17 anos de prisão.   

Na acusação, os promotores alegam que Hunter "esteve envolvido durante quatro anos em um esquema fraudulento para evitar o pagamento de aproximadamente US$ 1,4 milhão em impostos federais devidos nos anos fiscais de 2016-2019 e de janeiro de 2017 até 2020, e para fugir da liquidação fiscal do ano fiscal de 2018".   

Além disso, ele teria tido mais de US$ 7 milhões em receita bruta de 2016 a 2020 com diversos negócios feitos fora dos Estados Unidos.   

O procurador acusa ainda o filho do presidente americano de ter "gastado milhões de dólares num estilo de vida extravagante, em vez de pagar as suas contas fiscais".   

Em outubro passado, Hunter, que tem 53 anos, se declarou inocente por três acusações envolvendo o episódio em que ele comprou um revólver calibre 38 em 2018, época em que, segundo ele mesmo admitiu, estava fortemente viciado em drogas e "sem controle da própria vida".   

Hunter Biden ainda tem duas acusações de falsas declarações, porque ao preencher os formulários necessários para comprar a arma, declarou que não usava drogas ilegais. As controvérsias tem se misturado com a vida política de Joe Biden, já que Hunter é acusado por políticos republicanos de ter se envolvido em negócios corruptos na China e na Ucrânia.   

(ANSA).   

Continua após a publicidade

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes