"Espero que alinhados ao 'fora, Temer' não se interessem", diz organizador de protestos deste domingo

  • Folhapress

    Renan Santos (à dir.) critica manifestantes contrários ao governo Temer

    Renan Santos (à dir.) critica manifestantes contrários ao governo Temer

A presença de militantes que defendem ideologias de esquerda nos protestos marcados para este domingo em diversas cidades brasileiras rachou movimentos sociais nesta semana.

De um lado, o Vem Pra Rua, que organizou o ato, defendeu que até manifestantes de esquerda são bem-vindos no protesto que defende a Operação Lava Jato e a aprovação do projeto das Dez Medidas Contra a Corrupção proposto pelo Ministério Público Federal.

Mas o Movimento Brasil Livre (MBL), que sempre esteve alinhado ao Vem Pra Rua nos atos pelo impeachment de Dilma Rousseff, desta vez se mostrou indignado com a proposta e chegou a pensar em não participar do ato.

"Quer dizer que gente que saiu às ruas pedindo a saída de Dilma Rousseff, defendeu a Lava Jato até aqui, agora está topando conversar com a extrema esquerda para eventualmente defender um 'fora, Temer'. Como assim?", questionou Renan Santos, do MBL, em vídeo publicado no Facebook.

Após a demonstração pública de descontentamento do MBL, o líder do Vem Pra Rua, Rogério Chequer, foi também às redes sociais se explicar.

"O Vem Pra Rua não é a favor de 'fora, Temer'. Nós não temos nenhum interesse de tirar o Temer do poder", afirmou Chequer em vídeo.

Em entrevista à BBC Brasil, Chequer disse que não pode controlar quem participa de seus atos, mas que as pessoas ligadas à esquerda e que estão alinhadas ao 'fora, Temer' não estão alinhadas com suas posições. "Espero que pessoas desalinhadas não se interessem em vir", disse.

Ele afirmou inclusive que o governo do presidente Michel Temer tem "intenções extremamente positivas para o Brasil".

"A aprovação da PEC do Teto é uma delas. Um ajuste inevitável, goste ou não, mesmo as pessoas que serão de alguma forma afetadas e devem ser protegidas por um plano de transição. Ninguém vai ter direitos se essa reforma não for feita porque o Estado vai quebrar antes", afirmou.

Márcio Fernandes/Estadão Conteúdo

Sem credibilidade

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, afirmou que os membros de seu movimento jamais vão se unir ao MBL e o Movimento Vem Pra Rua.

"Eles não têm credibilidade nenhuma para fazer um protesto contra a corrupção. Eles são responsáveis por colocar o Temer no poder e fizeram aliança pelo Eduardo Cunha", disse Boulos.

Chequer responde que Boulos "não tem fundamento para falar isso" e discorda da caracterização feita sobre o seu movimento. O MBL não foi encontrado para comentar a declaração.

Por outro lado, Boulos afirma que o MTST e outros movimentos sociais de esquerda estão planejando mobilizações para os próximos dias. "Vamos focar principalmente na PEC. Assim como fizemos em Brasília nesta semana, vamos voltar a fazer pressão durante o segundo turno das votações no Senado", afirmou.

Acordo

Para o professor de políticas públicas da USP Pablo Ortellado, a convocação do Vem Pra Rua ainda pode atrair algumas pessoas de esquerda.

"Acredito que, pela primeira vez, deve haver alguma presença mais significativa de pessoas de esquerda numa manifestação anticorrupção, mas não sei se elas serão bem recebidas e acho que isso não será suficiente para mudar o caráter desses protestos e o estado de polarização no Brasil. Algo assim só aconteceria se houvesse um acordo entre forças organizadas dos dois campos, o que parece que não vai acontecer tão cedo", ponderou o professor.

Ortellado diz que não sabe se será possível resgatar o consenso que uniu o Brasil nos protestos de 2013.

"Para isso, os grupos anticorrupção precisariam acomodar a defesa dos serviços públicos (que se expressaria, por exemplo, na rejeição aos cortes em saúde e educação da PEC 55) e os grupos que defendem os direitos sociais precisariam abraçar de maneira mais aberta as medidas de combate à corrupção, inclusive quando afetam o PT. É um xadrez difícil com tanta desconfiança de ambos os lados e tantos interesses políticos em jogo", afirmou.

Mas nenhum dos lados sinalizam para um acordo.

"O MBL não defenderá ato algum ao lado dessas pessoas. Enquanto indivíduos, eles são livres para saírem às ruas nos dias que eles quiserem, inclusive nas nossas manifestações. Mas nós não embarcaremos nas suas agendas políticas e nós não seremos usados como instrumentos para levantar a esquerda", disse Renan Santos em vídeo do MBL.

Protesto em Brasília contra a "PEC do Teto" termina em confronto

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos