PUBLICIDADE
Topo

Por que parte das Farc está voltando à luta armada na Colômbia

Reprodução
Imagem: Reprodução

29/08/2019 15h15

Por meio de um vídeo divulgado na internet, o ex-número dois das Farc disse que retomará a luta de guerrilha 'em resposta à traição do Estado aos acordos de paz em Havana'.

"Anunciamos ao mundo que a segunda Marquetalia (local de origem das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as Farc) começou sob a proteção do direito universal que ajuda todos os povos do mundo a se armarem contra a opressão."

Com essas palavras, o ex-número dois das Farc, Iván Márquez, anunciou que iniciará uma nova etapa da luta armada contra o que chamou de oligarquia "excludente e corrupta".

A declaração de Márquez, um dos líderes das Farc nas negociações que culminaram em um acordo de paz entre a guerrilha e o governo, em Havana, há dois anos, foi divulgada na internet por meio de um vídeo de 32 minutos.

Em 2017, a maioria dos rebeldes das Farc se desmobilizou e passou a integrar o partido político Força Alternativa Revolucionária do Comum. Cerca de 7 mil membros da antiga guerrilha entregaram mais de 8 mil armas à ONU.

Mas houve críticas ao processo. Por um lado, alguns guerrilheiros não aceitaram os termos e, por outro, houve quem criticasse o fato de os rebeldes poderem se candidatar sem terem cumprido penas pelos crimes de que foram acusados.

Na recente publicação, Márquez, cujo paradeiro é desconhecido há mais de um ano, aparece junto a um grupo de pessoas armadas com fuzis. Uma delas é Seuxis Paucias Hernández, de codinome Jesús Santrich, e Hernán Darío Velásquez, o El Paisa, que meses atrás deixou de cumprir seus compromissos com a Justiça Especial para a Paz (JEP).

A JEP é uma instância especial criada pelo acordo de paz para processar os casos de crimes atribuídos a integrantes da guerrilha.

'Desarmamento ingênuo'

Segundo o manifesto lido por Márquez, que na gravação aparece vestido um traje militar verde e com uma pistola na cintura, a decisão de voltar às armas é uma "continuação da luta guerrilheira em resposta à traição do Estado em relação aos acordos de paz de Havana".

Iván Márquez foi o chefe da equipe das Farc nas negociações de paz em Havana - Getty Images - Getty Images
Iván Márquez foi o chefe da equipe das Farc nas negociações de paz em Havana. Na foto, ele aperta a mão do então chefe da delegação colombiana nas negociações de paz, Humberto de la Calle, em 28 de outubro de 2016.
Imagem: Getty Images

Segundo o guerrilheiro, o Estado colombiano "não cumpriu nem mesmo as mais importantes de suas obrigações, que são garantir a vida de seus cidadãos e, principalmente, evitar assassinatos por razões políticas".

A esse respeito, o ex-número dois das Farc afirma que, após o pacto alcançado em Cuba e o que ele qualifica como "desarmamento ingênuo dos guerrilheiros em troca de nada", "os assassinatos não cessaram".

"Em dois anos, mais de 500 líderes do movimento social foram mortos e 150 guerrilheiros já morreram em meio à indiferença e indolência do Estado", diz ele.

Em seguida, Márquez acrescenta: "A armadilha, a traição e a perfídia, a modificação unilateral do texto do acordo (de Havana), o não cumprimeiro de compromissos por parte do Estado, as assembleias judiciais e a insegurança jurídica nos obrigaram a voltar. Nunca fomos derrotados ou derrotados ideologicamente. É por isso que a luta continua. A história vai registrar em suas páginas que fomos forçados a voltar às armas ".

Análise: Mais um golpe contra o debilitado acordo de paz

Juan Carlos Pérez Salazar, editor da BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC

O anúncio de Iván Márquez de que ele retornaria à luta armada era previsível, mas isso não deixa de ser outro forte golpe no processo de paz colombiano.

Como na sociedade civil colombiana, dentro das Farc sempre houve setores que se opuseram ao acordo. Agora, vem a confirmação de que, apesar do paradoxo de ser o principal negociador do grupo armado, Iván Márquez era um desses opositores.

Em seu livro "A batalha pela paz" (sem tradução no Brasil), o ex-presidente da Colômbia e prêmio Nobel da Paz, Juan Manuel Santos, revela que Márquez (cujo nome verdadeiro é Luciano Marín), era o mais resistente e ortodoxo dos negociadores das Farc.

Agora, ele se junta a todos aqueles - do partido do governo e do próprio governo - não querem que o acordo prospere. Este anúncio só vai lhe dar mais munição para tentar bombardear um processo de paz que, embora admirado internacionalmente por seu escopo, é debilitado internamente.

Em uma entrevista recente, Juan Manuel Santos me disse que o processo de paz na Colômbia é irreversível.

Hoje, todos aqueles que apoiam esse processo dentro e fora do país certamente torcem para que suas palavras tenham sido proféticas.

Em ocasiões anteriores, o líder da guerrilha já havia criticado o abandono das armas pelas Farc, que ele descreveu como um "erro". E, embora em 2018 Márquez tenha sido nomeado senador pelo acordo de paz que garante dez assentos para o partido das Farc no Congresso, o líder dissidente decidiu não assumir o cargo. Depois, ele se mudou para Miravalle, em Caquetá (sul da Colômbia), um ponto de encontro para ex-combatentes.

Márquez, agora, afirma que buscará alianças com os guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) e com "aqueles camaradas que não dobraram suas bandeiras que tremulam na pátria para todos".

Além disso, ele afirmou que o Estado vai conhecer uma "nova modalidade" (de guerrilha), que só vai responder às "ofensivas", e prometeu que buscará o diálogo com empresários, pecuaristas e comerciantes, entre outros, para contribuir com o "progresso das comunidades rurais e urbanas".

Iván Duque (à direita), atual presidente da Colômbia, e o ex-presidente e atual senador Álvaro Uribe - Getty Imagems - Getty Imagems
Imagem: Getty Imagems

"O alvo não é o soldado ou a polícia que respeitar os interesses populares. Será a oligarquia, a oligarquia excludente, corrupta, mafiosa e violenta, que acredita que pode continuar a bloquear a porta do futuro de um país", diz o manifesto lido pelo guerrilheiro. Ele também insistiu que seu objetivo é justiça social, democracia e soberania nacional.

"A rebelião não é uma bandeira derrotada nem vencida. Por isso continuamos com o legado de Manuel Marulanda (fundador das Farc) e de (Simón) Bolívar, trabalhando de baixo para as mudanças políticas e sociais", disse.

Ao final do vídeo, Jesús Santrich intervém e grita: "Vivam as Farc". Os outros respondem: "Vivam!"