PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Em funeral de Soleimani, Irã reforça status de herói e mártir de general morto pelos EUA

Procissão em homenagem a Soleimani levou iraquianos às ruas neste sábado - SABAH ARAR/AFP
Procissão em homenagem a Soleimani levou iraquianos às ruas neste sábado Imagem: SABAH ARAR/AFP

04/01/2020 11h29

Uma grande multidão está reunida em Bagdá neste sábado (4/1) para a procissão fúnebre do general iraniano Qasem Soleimani, morto na quinta-feira por um ataque aéreo realizado pelos EUA na capital iraquiana.

A procissão marca o início de dias de cerimônias e homenagens planejadas pelo Irã — aonde o corpo de Soleimani deve retornar na noite deste sábado (hora local) para um funeral planejado para terça-feira em sua cidade natal de Kerman, centro do país.

Soleimani liderou as operações militares iranianas no Oriente Médio como comandante da Força Quds, unidade de elite da Guarda Revolucionária, e era considerado um dos homens mais poderosos do Irã. O país declarou luto de três dias de luto pela morte do general e prometeu vingança contra os EUA.

"A retaliação do Irã é certa, mas ainda não se sabe quando, onde e como. Por enquanto, a prioridade é fortalecer o status de Qasem Soleimani como heróis nacional e assegurar-se de que ele siga sendo tão poderoso na morte quanto era em vida", aponta Lyse Doucet, correspondente-chefe da BBC no Oriente Médio.

Doucet explica que o funeral de Soleimani tem sido cuidadosamente elaborado a começar por Bagdá, onde ele morreu e onde também é considerado herói por parte da população, por apoiar um grupo xiita paramilitar que ajudou a combater o grupo sunita autodenominado Estado Islâmico.

De Bagdá, os restos mortais de Soleimani devem seguir para a cidade sagrada iraniana de Mashhad e para a capital Teerã, onde o líder supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, deve comandar orações fúnebres — uma honraria rara no país, o que também sinaliza a força do general.

"O mais importante agora (para o Irã) é elevar seu martírio. (...) Líderes iranianos esperam que sua morte consiga unir o país", explica Deucet.

Internacional