PUBLICIDADE
Topo

O que significa salto de mais de 24% em casos e mortes por coronavírus em um dia no Brasil

Brasil teve nesta terça-feira (31/3) o maior aumento em termos absolutos do número de casos e de mortes causados pela pandemia do novo coronavírus - Getty Images
Brasil teve nesta terça-feira (31/3) o maior aumento em termos absolutos do número de casos e de mortes causados pela pandemia do novo coronavírus Imagem: Getty Images

01/04/2020 05h52

Para especialistas, crescimento intenso era esperado neste momento da pandemia, especialmente diante do maior número de laboratórios credenciados para realizar exames e do grande número de testes que ainda esperam para ser feitos.

O Brasil teve na terça-feira (31/3) o maior aumento em termos absolutos do número de casos e de mortes causados pela pandemia do novo coronavírus até agora.

Nas 24 horas do dia, foram confirmadas 1.138 novas infecções, das quais 822 em São Paulo, o estado mais afetado até agora. Isso fez o total de casos saltar de 4.579 para 5.717, um aumento de quase 25% em um dia.

Ao mesmo tempo, foram registradas 42 novas mortes no mesmo período, 23 delas em São Paulo. Com isso, 201 pessoas já morreram no Brasil desde o início da pandemia, 136 delas em São Paulo. Isso representa um crescimento de 26,4% em relação ao dia anterior, quando havia 159 mortes, de acordo com os dados oficiais.

No entanto, apesar deste aumento expressivo dos casos confirmados, o crescimento percentual diário de casos confirmados está dentro do índice de 33% que havia sido projetado pelo Ministério da Saúde, como ressaltou o secretário-executivo João Gabbardo em uma coletiva de imprensa no último dia 25.

Especialistas ouvidos pela BBC News Brasil afirmam que esse crescimento mais intenso já era esperado no país neste momento da pandemia, especialmente diante do maior número de laboratórios credenciados para realizar exames e do grande número de amostras que ainda esperam para ser testadas. Eles também dizem que picos ainda maiores estão por vir.

"A gente está passando pelo aumento exponencial da curva (de contágio), então, isso vai ser constante nos próximos dias. Vamos bater recordes em cima de recordes", afirma o infectologista Benedito da Fonseca, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP).

Ilustração pessoas de máscara - Getty Images - Getty Images
Especialistas afirmam que esse crescimento mais intenso já era esperado no país neste momento da pandemia
Imagem: Getty Images

A médica sanitarista Ana Freitas Ribeiro, do serviço de epidemiologia do Instituto Emílio Ribas, destaca que, a partir do momento em que a transmissão comunitária foi detectada no país, os testes de covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, passaram a ser aplicados somente nos casos com sintomas graves.

Esse tipo de transmissão, identificada oficialmente em São Paulo em 13 de março e sete dias depois em todo território nacional, ocorre quando há casos em que não é possível mais saber como uma pessoa se infectou. Isso indica que o vírus está circulando livremente entre a população.

Ribeiro diz que isso é diferente do início da epidemia no país, quando eram testados apenas viajantes com sintomas e pessoas que tinham entrado em contato com essas pessoas. "Quando muda o critério de testagem para os casos graves, a chance de um resultado ser positivo é maior. É natural que o total de casos comece a aumentar, e acho que vai subir ainda mais", afirma a médica.

Rede de laboratórios que fazem exames aumentou

Fonseca ressalta que, nas últimas semanas, foi ampliada a rede de laboratórios que podem fazer a testagem para covid-19 no país.

Os exames vinham sendo feitos apenas por três laboratórios de referência: A Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, e o Instituto Evandro Chagas, no Pará. Em 18 de março, o Ministério da Saúde anunciou que todos os Laboratórios Centrais de Saúde Pública dos 26 Estados e do Distrito Federal estavam aptos a fazer estes testes.

"Além disso, laboratórios privados, como o do Hospital Albert Einstein e o Fleury, foram credenciados. Então, os exames que antes eram feitos por eles e precisavam da contraprova feita em um laboratório do governo agora passam ser contabilizados sem ser necessário fazer isso", afirma Fonseca.

O maior número de testes leva a um aumento dos diagnósticos, mas isso não significa que a epidemia esteja fora de controle, avalia o infectologista. "Simplesmente, estamos detectando mais o vírus."

Mas, como tem faltado material para a realização dos testes, muitas amostras coletadas de pacientes na rede pública ainda precisam ser examinadas. Somente no Instituto Adolfo Lutz, a fila de espera era de 12 mil amostras até o último sábado, de acordo com a secretaria Estadual de Saúde de São Paulo. A instituição tem capacidade de testar 400 amostras por dia, e cerca de 1,2 mil novas chegam diariamente.

Homem com máscara - Getty Images - Getty Images
"Com tanto teste represado, a tendência é não só número de casos confirmados, mas a termos picos maiores ainda", diz médica
Imagem: Getty Images

"Está havendo uma pressão muito grande para esses exames serem liberados. Com tanto teste represado, a tendência é não só (aumentar o) número de casos confirmados, mas a termos picos maiores ainda", diz Ribeiro.

A médica afirma que só será possível ter uma real dimensão da disseminação do novo coronavírus no país quando essa demanda for atendida. "Os resultados de exames que estão saindo agora são de 10 a 15 dias atrás."

Ribeiro afirma que também ajudaria a ter uma melhor noção do tamanho da pandemia e sua gravidade atual no Brasil se o número de casos suspeitos fosse divulgado, o que o Ministério da Saúde deixou de fazer desde o último dia 19. "Teríamos que ver como estão evoluindo as notificações de suspeitas e a proporção de casos confirmados", diz ela.

Ministro diz que mortes concentradas em hospital distorcem dados

Ribeiro diz ainda que realizar os exames reprimidos não só aumentaria o número de casos confirmados, como faria cair a taxa de letalidade do novo coronavírus no país. Atualmente, ela está em 3,5% de acordo com o Ministério da Saúde, o mesmo patamar divulgado pela Organização Mundial da Saúde, de 3,4%.

No entanto, ao comentar o aumento do número de óbitos no país, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que os dados vêm sendo distorcidos por um grande número de mortes registradas no hospital Sancta Maggiore, em São Paulo.

A instituição é operada pela empresa de planos de saúde Prevent Senior, voltada para idosos. Segundo Mandetta, 79 das 136 mortes ocorreram no Sancta Maggiore.

"O coronavírus entrou em um hospital só de idosos com diferentes graus de imunossupressão (redução de imunidade), e o hospital não conseguiu segurar a transmissão ali dentro. Temos hoje um ponto extremamente grave naquele hospital", disse o ministro.

Em nota divulgada à imprensa, a Prevent Senior disse que as mortes ocorrem em dois hospitais de sua rede e não apenas em um como disse Mandetta e negou que tenha cometido erros para conter a disseminação do vírus.

"Os pacientes de covid-19 internados nos dois hospitais da rede não foram contaminados no interior das unidades, conforme atestam os exames laboratoriais, colhidos fora dos estabelecimentos", disse a empresa.

"Os hospitais da rede seguem todos os protocolos e recomendações da OMS. Prova disso é que o índice de infecção de profissionais de saúde pelo coronavírus é o menor das redes pública e privada."

O que esperar agora?

Benedito da Fonseca diz ser natural que o número de mortes cresça mais intensamente conforme a pandemia avance.

"Os pacientes vão a óbito na segunda ou terceira semana (após a infecção), e é esperado que a maior parte deles esteja em São Paulo, onde a pandemia chegou mais cedo", afirma o infectologista.

Ana Freitas Ribeiro concorda e diz que a expectativa é que o aumento do número de casos confirmados seja acompanhado pelo crescimento do total de mortes, ainda que não na mesma proporção.

Análise coronavírus - EPA - EPA
Ministério da Saúde confirmou mais de 3,4 mil casos de coronavírus no Brasil
Imagem: EPA

"Essa não é uma doença que tem um desfecho rápido. Vimos em outros países que as pessoas que morreram ficaram três semanas no hospital em média. Então, quando aumenta o número de internações, o esperado é que você tenha um aumento do número de mortes depois de algum tempo", diz a médica.

Só será possível saber que a pandemia parou de se agravar e que as medidas de isolamento social estão surtindo efeito quando o número de casos e mortes se mantiver em um mesmo patamar ou começar a diminuir, explica Fonseca.

"É o melhor dos cenários, mas ainda estamos em uma fase de crescimento da epidemia, então, o mais provável é que siga aumentando antes disso acontecer", afirma o infectologista.

"Nossa esperança é que essas medidas não farmacológicas funcionem e, nas próximas duas, três ou quatro semanas, a curva se estabilize e comece a cair."

Os casos

O primeiro registro do coronavírus no Brasil foi em 24 de fevereiro. Um empresário de 61 anos, que mora em São Paulo (SP), foi infectado após retornar de uma viagem, entre 9 e 21 de fevereiro, à região italiana da Lombardia, a mais afetada do país europeu que tem mais casos fora da China.

De acordo com o Ministério da Saúde, o empresário de 61 anos tinha sintomas como febre, tosse seca, dor de garganta e coriza. Parentes dele passaram a ser monitorados. Dias depois, exames apontaram que uma pessoa ligada ao paciente também estava com o novo coronavírus e transmitiu o vírus para uma terceira pessoa. Todos permaneceram em quarentena em suas casas, pelo período de, ao menos, 14 dias.

Após o primeiro caso, outros diversos registros passaram a ser feitos no Brasil. Muitos vieram de países com inúmeros casos do novo coronavírus, mas depois foram registrados casos de transmissão local e, por fim, comunitária.

Duas semanas depois, foi anunciado que o empresário de 61 anos está curado da doença provocada pelo novo coronavírus.

Coronavírus teste - Getty Images - Getty Images
Jovens não estão imunes de morrer por coronavírus, diz Simon Clarke, professor associado de microbiologia celular da Universidade de Reading
Imagem: Getty Images

Cuidados

A principal recomendação de profissionais de saúde que acompanham o surto é simples, porém bastante eficiente: lavar as mãos com sabão após usar o banheiro, sempre que chegar em casa ou antes de manipular alimentos.

O ideal é esfregar as mãos por algo entre 15 e 20 segundos para garantir que os vírus e bactérias serão eliminados.

Se estiver em um ambiente público, por exemplo, ou com grande aglomeração, não toque a boca, o nariz ou olhos sem antes ter antes lavado as mãos ou pelo limpá-las com álcool. O vírus é transmitido por via aérea, mas também pelo contato.

Também é importante manter o ambiente limpo, higienizando com soluções desinfetantes as superfícies como, por exemplo, móveis e telefones celulares.

Para limpar o celular, pode-se usar uma solução com mais ou menos metade de água e metade de álcool, além de um pano limpo.

Notícias