PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
6 meses

A múmia de faraó egípcio 'desembrulhada' digitalmente pela 1ª vez

Cientistas fazem "unboxing virtual" da múmia do faraó Amenhotep I - Reprodução
Cientistas fazem 'unboxing virtual' da múmia do faraó Amenhotep I Imagem: Reprodução

28/12/2021 15h14

Tomografias permitiram que arqueólogos estudassem o corpo de Amenhotep 1 e ficassem sabendo como foram a morte e sepultamento dele.

O corpo mumificado de um antigo faraó egípcio foi estudado pela primeira vez em milênios depois de ser digitalmente "desembrulhado".

A múmia de Amenhotep 1, que governou de 1525 a 1504 aC, foi encontrada em um local em Deir el-Bahari há 140 anos.

Mas os arqueólogos se abstiveram de abri-la para preservar a requintada máscara facial e as bandagens.

As tomografias computadorizadas (TC) agora revelaram informações anteriormente desconhecidas sobre o faraó e seu enterro.

Múmia de Amenhotep I - Creative Commons / Sahar N. Saleem & Zahi Hawass - Creative Commons / Sahar N. Saleem & Zahi Hawass
Múmia de Amenhotep I
Imagem: Creative Commons / Sahar N. Saleem & Zahi Hawass

Sahar Saleem, professora de radiologia da Universidade do Cairo e principal autor do estudo publicado na revista Frontiers in Medicine, disse que Amenhotep 1 tinha cerca de 35 anos quando morreu.

"Ele tinha aproximadamente 169 cm de altura, era circuncidado e tinha bons dentes. Dentro de seu invólucro, ele usava 30 amuletos e um cinto de ouro exclusivo com contas de ouro", disse ela à agência PA Media.

"Amenhotep 1 parece ter semelhanças físicas com o pai dele: tinha um queixo estreito, um nariz pequeno e fino, cabelo encaracolado e dentes superiores ligeiramente protuberantes."

No entanto, Saleem disse que não foram identificadas quaisquer feridas ou desfiguração devido a alguma doença que permitisse indicar a causa da morte.

Reformada com amor

Os pesquisadores foram capazes de obter insights sobre a mumificação e o sepultamento de Amenhotep, que foi o segundo rei da 18ª Dinastia, incluindo que ele foi o primeiro faraó a ter os antebraços cruzados sobre o peito e que, excepcionalmente, seu cérebro não foi removido.

Eles também concluíram que a múmia foi "reformada com amor" por sacerdotes da 21ª Dinastia, que governou cerca de quatro séculos após a morte dele.

As varreduras mostraram que a múmia sofreu vários ferimentos post-mortem que provavelmente foram provocados por ladrões de túmulos.

Elas também mostraram que os sacerdotes fixaram a cabeça e o pescoço destacados ao corpo com uma faixa de linho tratada com resina, cobriram um defeito na parede abdominal com uma faixa e colocaram dois amuletos embaixo, e envolveram o braço esquerdo separado do corpo.

Saleem disse que as joias e amuletos vistos nos exames desmentem as teorias de que os sacerdotes poderiam tê-los removido para uso por faraós posteriores.

A múmia de Amenhotep 1 foi enterrada novamente pelos sacerdotes no Cache Real Deir el-Bahari, um complexo de tumbas e templos perto de Luxor, para mantê-la segura.