PUBLICIDADE
Topo

Saúde

Vacinação de crianças no Brasil: o que sabemos até agora

Criança recebe a vacina contra a covid-19 - Getty Images
Criança recebe a vacina contra a covid-19 Imagem: Getty Images

Giulia Granchi - Da BBC Brasil em São Paulo

14/01/2022 14h00

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou a aplicação da vacina Comirnaty (da Pfizer-BioNTech) em crianças de 5 a 11 anos.

(Atualizada em 17 de janeiro de 2022)

De forma simbólica, a vacinação de crianças na faixa etária de 5 a 11 anos contra a covid-19 começou na sexta-feira (14/01) no Brasil.

O menino indígena Davi Seremramiwe Xavante, de 8 anos, recebeu a primeira dose do imunizante da Pfizer no Estado de São Paulo.

Apesar disso, ainda há muita incerteza sobre o calendário e a disponibilidade de doses para que a campanha avance de fato.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizou a aplicação da vacina Comirnaty (da Pfizer-BioNTech) em crianças de 5 a 11 anos no dia 16 de dezembro de 2021.

O parecer levou em conta dados disponíveis sobre a eficácia e a segurança da vacina, que foram analisados por diferentes profissionais da área da saúde, contando com a participação de especialistas externos de diferentes sociedades médicas brasileiras.

Além disso, de acordo com a agência, a análise também considerou o relatório da aprovação da FDA (Food and Drug Administration), agência regulatória dos Estados Unidos, assim como o cenário de aprovação internacional das autoridades que possuem medidas semelhantes a do Brasil.

O governo federal também fez uma consulta pública sobre o tema, com o objetivo de "informar e conhecer as dúvidas da população sobre a vacinação de crianças". O debate foi encerrado no dia 2 de janeiro e não gerou mudanças na aprovação.

Quando a campanha para vacinar crianças vai começar?

A chegada dos primeiros lotes da vacina no Brasil aconteceu na última quinta-feira (13/01). O Ministério da Saúde está agora enviando os imunizantes para todos os estados, e é responsabilidade do governo estadual distribuir as doses aos municípios e definir a data de início da vacinação.

Quais as vacinas disponíveis?

Por enquanto, a única vacina disponível contra a covid-19 para crianças é a Pfizer-BioNTech. A análise da Anvisa concluiu que, quando administrada no esquema de duas doses em crianças de 5 a 11 anos de idade, o imunizante é seguro e eficaz na prevenção da covid-19 sintomática, na prevenção das forma grave e potencialmente fatal da doença.

Em agosto de 2021, o Instituto Butantan também chegou a pedir o uso emergencial da CoronaVac em crianças a partir de três anos, mas a diretoria da Anvisa rejeitou por unanimidade alegando falta de dados que comprovassem a eficácia e segurança.

Novos documentos foram enviados em dezembro, e a Anvisa tem, a partir de hoje, mais 13 dias para analisá-los. De acordo com a assessoria de imprensa do Instituto, os trâmites como reuniões e envio de documentos estão acontecendo para que a aprovação ocorra em breve.

A Moderna, farmacêutica norte-americana que desenvolveu um dos imunizantes capazes de agir contra o Sars-CoV-2 e atualmente é usado nos EUA e em outros países, pretende divulgar os resultados dos testes em março.

Se os dados forem propícios, a empresa poderá entrar com pedido de autorização para aplicar a vacina em crianças menores. No entanto, como a vacina da Moderna não está disponível para adultos no Brasil, é menos provável que ela fique disponível para as crianças brasileiras, ao menos nos próximos meses.

Quais evidências indicam que a vacina é segura e eficaz?

A vacina tem dosagem e composição diferentes daquela utilizada para os maiores de 12 anos. A formulação da vacina para crianças será aplicada em duas doses de 0,2 mL (equivalente a 10 microgramas), com pelo menos 21 dias de intervalo entre as doses. Para evitar confusões, o imunizante leva uma tampa laranja, diferente da versão para adultos, que tem um fecho azul.

Para aqueles que completarem 12 anos entre a primeira e segunda dose, a recomendação da Anvisa é continuar com a dose pediátrica da Pfizer.

Em outubro de 2021, estudos de fase I, II e III mostraram que a vacina é segura e mais de 90,7% eficaz na prevenção de infecções em crianças de 5 a 11 anos. São esses testes que garantem que a vacina não é "experimental", mas adequada para as crianças. A principal pesquisa acompanhou 2.268 pessoas de 5 a 11 anos que receberam duas doses da vacina ou placebo, com três semanas de intervalo. A resposta de anticorpos neutralizantes foram similares às observadas em adolescentes e adultos de 16 a 25 anos.

Por que é importante vacinar crianças?

"Os principais benefícios são aqueles encontrados nos estudos de fase 3, que analisa vacinados e indivíduos em um grupo placebo. Os resultados mostraram que o imunizante evita quadros graves e óbitos de crianças por covid-19 e 90% dos analisados sequem desenvolveram sintomas", aponta o infectologista Alexandre Naime, que atua no Hospital das Clínicas de Botucatu (SP).

A imunização também ajuda a proteger quem está em volta dos pequenos, como outras crianças que ainda não atingiram idade elegível para receber a primeira dose. "Sabemos que um indivíduo sintomático transmite muito mais do que assintomático, e por isso, as chances de disseminar a doença caem", aponta Naime.

Outro benefício secundário importante é que essas crianças pode frequentar a escola com maior segurança, tendo a oportunidade de manter o aprendizado de forma tradicional e de socializar com colegas da mesma idade.

"Também observamos que os eventos adversos são, em maioria, leves", explica o infectologista.

Recomendações

Não há a necessidade de autorização por escrito, mas ao menos um dos responsáveis precisa acompanhar a criança no momento da aplicação. Ambos devem levar documento de identificação.

Para crianças com comorbidades é necessário levar o laudo de comprovação do quadro.

Há, ainda, a recomendação de que o imunizante contra a covid-19 nas crianças não seja administrada de forma simultânea a outras vacinas do calendário infantil. Por precaução, a Anvisa estabeleceu um intervalo de 15 dias entre outras vacinas.

Efeitos adversos como dor, inchaço, vermelhidão no local da injeção, febre, fadiga, dor de cabeça e calafrios podem acontecer. Os pais ou responsáveis devem ser orientados a procurar o médico se a criança apresentar dores repentinas no peito, falta de ar ou palpitações após a aplicação da vacina.

Como a vacinação ocorrerá em cada estado brasileiro

A ordem de vacinação estabelecida pelo Ministério de Saúde será:

1 - Crianças de 5 a 11 anos com deficiência permanente ou com comorbidades;

2 - Crianças indígenas e quilombolas.

3 - Crianças que vivem em lar com pessoas com alto risco para evolução grave de covid-19,

4 - Crianças sem comorbidades, na seguinte ordem sugerida:

4.1 - Crianças entre 10 e 11 anos;

4.2 - Crianças entre 8 e 9 anos;

4.3 - Crianças entre 6 e 7 anos,

4.4 - Crianças com 5 anos.

No entanto, cada estado (e em alguns casos, municípios), podem apresentar diferenças na logística de vacinação. Confira, abaixo, como deve ocorrer nos estados que já divulgaram seus planos e também no Distrito Federal:

Acre

O estado seguirá as orientações do Ministério da Saúde (listadas acima) e a vacinação teve início nesta segunda-feira (17/01).

Alagoas

A vacinação também começou nesta segunda-feira. Estão aptas a se vacinarem nesse primeiro momento todas as crianças com 11 anos completos no dia da vacinação, as crianças de cinco a 11 anos portadoras de necessidades especiais ou com comorbidades e as crianças de cinco a 11 anos indígenas ou quilombolas.

Amapá

O site do governo estadual informa que o plano também é seguir a ordem determinada pelo Ministério da Saúde. A imunização teve início no último sábado (15/01).

Amazonas

O escalonamento será por grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde e os imunizantes passaram a ser aplicados nesta segunda-feira (17).

Bahia

O plano de vacinação é de responsabilidade de cada município. No último sábado (15), a distribuição de doses teve início na cidade de Salvador. No momento, qualquer criança com 11 anos completos ou deficiência permanente poderá ser vacinada na capital.

Ceará

A vacina terá aplicação por faixas etárias por ordem decrescente. De acordo com a Secretaria de Saúde, o modelo foi escolhido por considerarem que é a forma mais ágil de abranger de forma ampla o público alvo da vacinação, conforme observado em outras faixas etárias. Fortaleza, a capital cearense, começou a vacinar crianças no último sábado (15).

Distrito Federal

O escalonamento será por grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde. A vacinação teve início no último domingo (16/01).

Espírito Santo

O estado iniciou a vacinação no sábado (15), começando com crianças com comorbidades. Na data, três pontos da cidade de Vitória, a capital, já ofereciam os imunizantes em doses pediátricas na data.

Goiás

A vacinação em Goiás começou nesta segunda-feira (17) e se dará por ordem decrescente de idade, ou seja, começando com as crianças de 11 anos e sendo, gradativamente, reduzida - e não por grupos, como pessoas com comorbidades.

Maranhão

O plano de imunização será de responsabilidade dos municípios. As primeiras doses foram distribuídas no sábado (15) e a Secretaria de Saúde do estado informou que planeja a abertura de pontos extras de vacinação para apoio às cidades na celeridade da vacinação das crianças.

Mato Grosso

A Secretaria Estadual de Saúde afirma que orientou aos municípios a seguirem as orientações estipuladas pelo Ministério da Saúde. A imunização começou nesta segunda-feira (17) em Cuiabá.

Mato Grosso do Sul

Seguirá a logística determinada pelo Ministério da Saúde. Em Campo Grande, a vacinação começou no sábado (15) e teve seu escopo ampliado - agora, todos que já têm 11 anos completos poderão se vacinar.

Minas Gerais

A campanha terá a mesma ordem do plano do Ministério da Saúde. Em Belo Horizonte, a capital mineira, a imunização teve início no sábado (15).

Pará

De acordo com a Secretaria de Saúde, o plano de distribuição é de responsabilidade de cada município, podendo haver, assim, diferenças entre as cidades. Após um início simbólico no último sábado, a vacinação de centenas de crianças começou nesta segunda-feira (17).

Paraíba

A vacinação seguirá o plano determinado pelo Ministério da Saúde. Em João Pessoa, as crianças começaram a receber suas primeiras doses no domingo (16).

Paraná

A imunização será feita de acordo com o plano de cada município. Na sexta-feira (14), o Estado enviou o lote de 65.500 vacinas para as 22 Regionais de Saúde. No dia seguinte, algumas cidades, como Londrina, iniciaram a imunização.

Pernambuco

As Geres (Gerências Regionais de Saúde) estaduais ficam responsáveis por disponibilizar os imunobiológicos para os municípios, que possuem autonomia na criação de estratégias para promover o acesso a sua população. Em Recife, a vacinação também começou sábado (15), com prioridade para crianças com doenças neurológicas crônicas ou distúrbios do desenvolvimento neurológico.

"No caso da imunização do público infantil, a orientação é que sejam criadas alternativas distintas dos adultos. Orientamos os gestores municipais e as equipes de imunização a ficarem atentos a essas especificidades para evitar erros de administração", explica a superintendente de Imunizações do Estado, Ana Catarina de Melo.

Rio de Janeiro

A vacinação ocorre por idade, de forma descrente. Na capital, de 17 de janeiro até 9 de fevereiro serão imunizados, em dias intercalados, meninas e meninos de 5 a 11 anos.

Rio Grande do Sul

A vacinação das crianças começará simultaneamente no dia 19 de janeiro em todos os municípios do Rio Grande do Sul. Os primeiros vacinados serão meninos e meninas com alguma comorbidade, como hipertensão, diabetes ou asma, ou imunossuprimidos.

Em seguida, o cronograma segue ordem decrescente de idade. A Secretaria de Saúde informa que "crianças indígenas e quilombolas serão vacinadas conforme orientação futura do Ministério da Saúde", embora estejam listadas como prioridade pelo MS.

Rio Grande do Norte

A imunização das crianças de 5 a 11 anos de idade começou no sábado (15). Os responsáveis devem cadastrar os menores na plataforma RN+ Vacina.

O estado tem hoje 350 mil crianças nessa faixa etária e recebeu do Ministério da Saúde 20.900 doses do imunizante da Pfizer. "Por ser um quantitativo baixo para início deste público iremos começar pelas crianças com comorbidades e depois por escalonamento começando pelas crianças de 5 até 11 anos", disse Kelly Lima, coordenadora de Vigilância em Saúde da Sesap.

Rondônia

A vacinação, que começou nesta segunda-feira (17), será feita por ordem decrescente de idade.

Roraima

Também seguirá as orientações do Ministério da Saúde. O estado recebeu as doses na sexta-feira (14), mas a data de início da vacinação ainda não foi definida.

Santa Catarina

O Estado prioriza a ordem de grupos determinadas pelo Ministério da Saúde, mas os municípios têm autonomia para organizar seus planos. Na capital, Florianópolis, a vacinação começou no dia 15 de janeiro por ordem decrescente de idade.

São Paulo

Em ato simbólico, a primeira criança na faixa etária de 5 a 11 anos vacinada em São Paulo recebeu a dose na sexta-feira (14/01).

Nesta segunda-feira (17), a capital começou a aplicar doses nas pessoas com comorbidades e deficiências.

Desde 12 de janeiro, o site do governo paulista já permite que os pais façam o pré-cadastro das crianças online para facilitar o atendimento nos postos de saúde.

Tocantins

Seguirá as orientações do Ministério da Saúde e deverá iniciar a imunização no dia 20 de janeiro.

Sergipe

A vacinação teve início em 15 de janeiro. Na capital, Aracaju, a distribuição segue a orientação do Ministério da Saúde.


Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=Jzvl7q1dmBs

https://www.youtube.com/watch?v=6MfJN_n1SiM

https://www.youtube.com/watch?v=RjNik9p7cS0

Saúde