Lama de Mariana vira arte na Alemanha

Priscila Jordão

Mineira Silvia Noronha produziu pedras a partir da onda de lama tóxica do desastre da Samarco, em Minas Gerais, para questionar como será a aparência do planeta no futuro e a responsabilidade humana sobre a catástrofe.A tragédia de Bento Rodrigues, em Mariana, vista por alienígenas daqui a cem mil anos: parece o cenário de um filme pós-apocalíptico, mas na verdade é uma série de obras da artista brasileira Silvia Noronha, expostas na Alemanha.

A mineira coletou a lama tóxica proveniente do rompimento da barragem da mineradora Samarco em 2015 e, simulando a passagem do tempo, transformou-a em pedras de aparência alterada. O resultado denuncia como o homem tem modificado a natureza de maneira catastrófica, o que dará ao planeta uma face bem diferente da atual no futuro.

A coleta de sete quilos da lama ocorreu em três visitas da artista à área de Bento Rodrigues. Além de amostras de terra, a lama colorida continha outros resíduos, como vidro, restos de dispositivos eletrônicos, metais e plásticos.



"Toda informação contida na superfície afetada pelo desastre foi alterada num curto espaço de tempo, o que vem acontecendo em vários episódios em todo o planeta. Foi a partir daí que tive a ideia de usar a lama de Bento Rodrigues como matéria para projetar 'pedras especulativas', pois entendo que esse material contém uma enorme quantidade de informações provenientes da catástrofe", diz Noronha.

A transformação do material ocorreu com a aplicação de altas temperaturas, de até 1.400 graus Celsius, e pressão elevada, procedimento executado na Universidade Técnica de Berlim. As pedras têm aparências diversas: algumas são mais parecidas com cerâmica e outras exibem surpreendentes misturas de cores por conta da fusão dos materiais e minerais contidos na lama.

Para a artista, o resultado conta uma história de descaso com o meio ambiente e de um capitalismo desastroso. Ela também trabalhou o tema numa série executada na Grécia, onde o aumento da mineração de ouro e cobre na península de Halkidiki se intensificou após a crise econômica do país.



Geologia pós-humanística

Embora não haja como saber se as pedras do futuro serão iguais ou ao menos semelhantes às criadas pela artista, as pedras especulativas provocam reflexões que permitem questionar o presente. O que, para Noronha, já é uma maneira de mudar o futuro. "Nós, humanos, agregamos à natureza novos materiais: plástico nos oceanos, poluição química no ar e na terra através da indústria e da agricultura, todo o lixo que não é decomposto, resto de materiais eletrônicos", diz ela.

"Num primeiro momento, esses materiais são aliens ao meio, mas, com o passar do tempo, vão sendo incorporados a ele. Acredito que a natureza, no futuro, terá uma estética bem diferente da que conhecemos hoje, por exemplo com novas formações geológicas decorrentes da interferência humana."

E as modificações introduzidas pelos seres humanos permanecerão mesmo se, num futuro muito distante, o planeta não for mais dominado pela espécie humana ou caso seja visitado por alienígenas que tentem entender a história terrestre por meio das rochas. É o que a artista chama de "geologia pós-humanística".

A série será parte de uma exposição em Colônia, de 7 de outubro até 4 de novembro, depois de ter passado por Berlim. Segundo a artista, há interesse de galerias brasileiras em receber o trabalho, mas ainda não há previsão de exposição no Brasil.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos