Obama afirma que "indesculpável" retórica antimuçulmana não tem lugar nos EUA

Em Washington

  • Jonathan Ernst/Reuters

    Obama visitou pela primeira vez uma mesquita em Maryland

    Obama visitou pela primeira vez uma mesquita em Maryland

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta quarta-feira (3) que a "indesculpável" retórica contra os muçulmanos empregada por alguns políticos "não tem lugar" no país, durante sua visita a uma mesquita de Baltimore.

Obama criticou assim, sem alusões diretas, a retórica xenófoba de alguns dos pré-candidatos republicanos à presidência dos EUA e, em particular, a proposta de um deles, Donald Trump, de vetar a entrada ao país dos muçulmanos perante a ameaça do terrorismo jihadista.

Na primeira visita que realiza durante seu mandato a uma mesquita nos EUA, Obama disse "obrigado" aos muçulmanos por suas contribuições ao país, ao comentar que essa é uma palavra que essa comunidade não escuta o suficiente.

O presidente lembrou que várias "gerações" de muçulmanos "ajudaram a construir" os EUA e que o islã sempre foi parte da história do país, desde os tempos coloniais.

"Nossos programas de televisão deveriam ter alguns personagens muçulmanos não relacionados com a segurança nacional", declarou Obama ao falar dos estereótipos e que há muitos muçulmanos que, como policiais, militares ou funcionários de inteligência, ajudam a manter todos os cidadãos "seguros".

"O ataque a uma fé é um ataque a todas", denunciou Obama, ao ressaltar também que é uma tarefa global e de todos os crentes, sejam muçulmanos, cristãos ou judeus, condenar a violência.

Sem mencioná-los diretamente, Obama quis responder também aos pré-candidatos presidenciais republicanos que lhe criticam por sua decisão de evitar o termo "islã radical" para referir-se ao terrorismo jihadista.

Grupos como o EI (Estado Islâmico) "estão desesperados" por ter legitimidade e "não devemos dá-la" com "afirmações falsas" sobre que os Estados Unidos "estão em guerra com o islã", argumentou.

Em mensagem dirigida particularmente aos jovens, Obama afirmou que não devem "escolher" entre sua fé e sua pátria, porque não são "muçulmanos ou americanos, mas muçulmanos e americanos".

Desde que assumiu a presidência em janeiro de 2009, Obama tinha visitado mesquitas durante algumas de suas viagens ao exterior, mas nenhuma dentro dos EUA até hoje.

Antes de seu discurso, o presidente participou de uma mesa-redonda com líderes muçulmanos de todo o país na Sociedade Islâmica de Baltimore (Maryland).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos