Obama evita definições sobre papel dos Estados Unidos na ditadura argentina

Buenos Aires, 23 mar (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, evitou nesta quarta-feira dar uma definição sobre o papel de seu país durante a última ditadura argentina (1976-1983), cujo início, com um golpe de Estado, completa amanhã 40 anos.

Durante a entrevista coletiva concedida por Obama e o presidente argentino, Mauricio Macri, na Casa Rosada, o chefe do governo americano se limitou a reconhecer que na história da política externa dos EUA "houve momentos de grande sucesso e glória" e outros que foram "contrários" ao que ele acredita que seu país "deve apoiar".

"Houve um crescimento e um amadurecimento em como abordamos nossas relações exteriores", declarou Obama.

"Se olharmos o que os governos pensavam sobre outros países nos anos 30, 50 ou 60, e comparamos com o fato de podermos hoje ter uma conversa no Salão Oval, isso mudou com o tempo. E acredito que mudou de forma positiva", argumentou Obama.

O segundo dia da visita oficial do chefe de Estado americano à Argentina coincide com o aniversário do golpe que deu início à última ditadura no país sul-americano, o que causou rejeição nas organizações de direitos humanos devido às conexões americanas com a repressão militar local.

"Nossa experiência com um país como a Argentina nos ajudou a desenvolver uma política externa mais madura", frisou Obama, que amanhã deve participar de uma homenagem às vítimas da ditadura no Parque da Memória, em frente ao rio da Prata.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos