Malásia deportará norte-coreano detido após assassinato de Kim Jong-nam

Em Bangcoc

  • Reuters

    Ri Jong Chol é escoltado pela polícia da Malásia em 18 de fevereiro, depois de ser detido

    Ri Jong Chol é escoltado pela polícia da Malásia em 18 de fevereiro, depois de ser detido

O procurador-geral da Malásia confirmou nesta quinta-feira (2) que as autoridades de seu país deportarão o químico norte-coreano preso durante a investigação do assassinato em Kuala Lumpur de Kim Jong-nam, irmão do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

Ri Jong Chol, que ainda não tem acusações contra ele e cuja prisão provisória chega ao fim na sexta-feira (3), será transferido amanhã para o departamento de Imigração, que vai enviá-lo a seu país de origem, de acordo com a emissora de TV "Channel News Ásia".

Segundo a polícia, o visto temporário de trabalho do norte-coreano expirou em 6 de fevereiro, dias antes da morte por envenenamento de Kim Jong-nam quando imprimia o cartão de embarque em um terminal de embarque do Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur.

A Justiça da Malásia indiciou na quarta-feira (1º) por assassinato as duas suspeitas presas, a indonésia Siti Aisha e a vietnamita Doan Thi Huong, que atacaram Kim Jong-nam no aeroporto e esfregaram em seu rosto o "agente nervoso VX", que acabou o matando em questão de minutos.

A polícia local acredita que as duas mulheres foram recrutadas para realizar o assassinato pelos quatro norte-coreanos que fugiram para Pyongyang o mesmo dia do crime e que estão sendo procurados pela Interpol.

Câmera de segurança mostra o ataque a Kim Jong-nam no aeroporto

  •  

As autoridades da Malásia também pediram para interrogar um diplomata da embaixada norte-coreana e um funcionário da empresa aérea estatal que teriam sido vistos se despedindo dos quatro suspeitos no aeroporto.

Uma delegação norte-coreana chegou na terça-feira (28) em Kuala Lumpur para reivindicar o corpo de Kim Jong-nam, que viajava com um passaporte diplomático com o nome de Kim Chol.

Coreia do Sul e Estados Unidos atribuíram o assassinato de Jong-nam a agentes norte-coreanos, enquanto Pyongyang questionou a investigação policial e acusou as autoridades da Malásia de conspirar com seus inimigos.

Os atritos diplomáticos por causa do incidente entre Coreia do Norte e Malásia fizeram com que o governo de Kuala Lumpur anunciasse hoje o cancelamento do acordo de isenção de vistos temporários para os cidadãos norte-coreanos de visita em seu país.
 

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos