Governo boliviano diz que seguro do avião da Chapecoense estava vigente

La Paz, 26 mai (EFE).- O Governo da Bolívia afirmou nesta sexta-feira que o seguro do avião da companhia aérea boliviana LaMia, em que perdeu a vida quase todo o time da Chapecoense em novembro do 2016, estava vigente quando o acidente ocorreu.

O ministro boliviano de Obras Públicas, Milton Claros, disse para a imprensa que "o seguro está vigente, as apólices estão vigentes e a documentação estava em dia".

Milton, que tem sob sua competência o setor aeronáutico, insistiu em que conta com a informação de que o documento do seguro da LaMia "é válido", acrescentando que o Governo fará cumprir o que está estabelecido nos contratos.

O ministro expressou sua posição depois que a empresa boliviana Bisa Seguros e Reaseguros expressou na quinta-feira que a apólice de seguros para os passageiros do voo da LaMia não estava vigente.

Além disso, a rede "CNN" informou em reportagem que uma carta enviada pela Bisa aos gerentes da LaMia informava que a "apólice estava suspensa por falta de pagamento desde o início de outubro do mesmo ano. Ou seja, o seguro não estava vigente no momento do acidente".

Segundo essa reportagem, a apólice "tampouco cobria voos com destino à Colômbia, país que aparece expressamente citado em uma cláusula de exclusão geográfica junto a muitos outros, como Peru, Afeganistão, Síria, Iraque, Iêmen e várias nações africanas".

A Bisa comunicou que a apólice para a tripulação essa sim está sendo cumprida de forma normal, com um pagamento de US$ 150 mil por tripulante falecido e despesas médicas dos sobreviventes da tragédia até US$ 25 mil para cada um.

Além disso, a Direção Geral de Aeronáutica Civil da Bolívia (DGAC) disse hoje por meio de um comunicado que a apólice sim tinha vigência de 10 de abril de 2016 até o mesmo dia de 2017.

A DGAC também informou que nunca recebeu informação da LaMia, nem da Bisa, que a aeronave encontrava-se sem a cobertura do seguro por falta do pagamento de suas quotas.

Sem admitir uma obrigação, a asseguradora anunciou na quinta-feira que criou um fundo de "assistência humanitária" para as famílias dos passageiros que morreram no acidente e os sobreviventes.

O fundo é administrado pelo escritório de advogados de Londres Clyde & Co. LLP, com o qual os afetados devem se comunicar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos