Espanhóis protestam por trabalhos dignos e direitos sociais

Madri, 27 mai (EFE).- Milhares de pessoas protestaram neste sábado na capital espanhola contra a corrupção, o desemprego e a precariedade do trabalho, a privatização dos serviços públicos e a "deterioração" da educação e da saúde.

Gritando frases como "Pão, trabalho, teto e igualdade", quatro grupos das "Marchas da Dignidade" de várias partes do país entraram em Madri, após a convocação de sindicatos e organizações sociais. A manifestação que aconteceu no centro da cidade também contou com políticos dos partidos Esquerda Unida e Podemos.

A mobilização de hoje também serviu para defender a previdência e expressar descontentamento com as reformas trabalhistas e o pagamento da dívida pública.

De acordo com o sindicato anarquista CGT, pessoas estão fazendo fortunas e grandes empresas estão saindo da crise na Espanha, "à custa da precariedade da maior parte da sociedade".

Uma das responsáveis pelas "Marchas da Dignidade", Ángeles Maestro, defendeu que a mobilização deve continuar em prol do progresso do país.

A crise econômica que começou em 2008 na Espanha, quando o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) governava, representa a perda de vários milhões de empregos e um aumento acelerado dos níveis de pobreza e exclusão social. Desde então, greves e manifestações acontecem, entre elas várias "Marchas da Dignidade", que surgiram em 2014, contra as políticas de austeridade do Partido Popular (centro-direita), que governa desde dezembro de 2011.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos