Políticos dominicanos acusados no caso Odebrecht passam 1ª noite na prisão

Santo Domingo, 30 mai (EFE).- Dez políticos e empresários dominicanos, entre eles o ministro de Indústria e Comércio e o presidente do principal partido de oposição, passaram a primeira noite na prisão após serem detidos na segunda-feira por suspeita de envolvimento nas propinas pagas pela Odebrecht no país.

Os acusados estão na prisão do Palácio da Justiça de Santo Domingo, capital da República Dominicana, e devem ser ouvidos nesta terça-feira por um juiz, que julgará os pedidos de detenção feitos pelo Ministério Público, informaram fontes judiciais à Agência Efe.

O procurador-geral da República Dominicana, Jean Alain Rodríguez, antecipou ontem que solicitará que os acusados fiquem presos preventivamente por 18 meses, mas esclareceu que "está na mão dos juízes aceitarem ou não as solicitações do Ministério Público".

No total, há 14 envolvidos. Dois deles são senadores e líderes do Partido Liberdade Dominicana. Por esse motivo, os promotores também pediram que ambos percam a imunidade parlamentar para serem detidos.

Outro acusado, o engenheiro Bernardo Castellanos de Moya, está no Panamá, e Rodríguez repassou a ordem de prisão à Interpol.

O ministro de Indústria e Comércio, Temístocles Montás, também foi preso. Ontem, ele enviou uma carta ao presidente do país, Danilo Medina, colocando seu cargo à disposição e defendendo sua inocência. Mais tarde, em outro documento, pediu sua suspensão temporária da direção do PLD.

Até o momento, nem o governo nem o PLD se pronunciaram sobre as cartas de Montás, que também foi ministro de Economia da República Dominicana entre 2007 e 2016.

Também estão presos o ex-presidente do Senado e atual presidente do oposicionista Partido Revolucionário Moderno (PRM), Andrés Bautista, o ex-ministro de Obras Públicas Víctor Díaz Rúa, o ex-deputado Ruddy González, assim como vários ex-diretores de empresas estatais.

Além disso, o empresário e representante comercial da Odebrecht no país, Ángel Rondón, foi acusado como a pessoa que recebeu e distribuiu os US$ 92 milhões que a empresa pagou em propinas.

Em abril, um juiz validou um acordo entre o Ministério Público e a Odebrecht, que deve pagar US$ 184 milhões ao país, o dobro do valor pago em propinas para vencer licitações de obras públicas, em troca de que a construtora revelasse os nomes dos beneficiados e de que os funcionários da empresa não fossem acusados no país.

Graças ao acordo, os promotores receberam há algumas semanas informações das autoridades brasileiras sobre o caso Odebrecht.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos