Milhares de pessoas protestam em Paris contra reforma trabalhista de Macron

Paris, 23 set (EFE).- Dezenas de milhares de pessoas foram neste sábado às ruas de Paris para protestar contra a reforma trabalhista do presidente da França, Emmanuel Macron, e outras propostas de sua política social, uma manifestação organizada pelo líder da esquerda radical do país, Jean-Luc Mélénchon.

A manifestação, organizada em forma de marcha entre as praças da Bastilha e da República, começou às 14h locais (9h em Brasília) e terá um discurso de Méléchon perto do fim.

O líder da extrema-esquerda estava na frente do protesto, ao lado de outros deputados de seu partido, o França Insubmissa. Ele próprio publicou uma imagem do protesto no Twitter, acompanhado da mensagem: "Resistência! Bravo para todos os assalariados em luta pelos nossos direitos".

O protesto, o terceiro depois dos convocados por várias organizações sindicais nos últimos dias, critica o "golpe de Estado social" que estaria sendo promovido por Macron.

Os manifestantes dizem que o presidente não tem legitimidade para fazer a flexibilização do mercado trabalhista, uma medida assinada por ele ontem e que estava no seu programa eleitoral.

Lideranças sindicais e políticas indicam que a vitória de Macron só ocorreu porque parte da esquerda votou no presidente para evitar um triunfo da ultradireitista Marine Le Pen.

Além do França Insubmissa, anunciaram presença na manifestação outras lideranças políticas, como o candidato do Partido Socialista nas eleições presidenciais, Benoît Hamon, e representantes da direção do Partido Comunista Francês.

Uma ausência notável foi a do secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT), Phillipe Martínez, que tinha liderado os dois protestos anteriores contra a reforma de Macron.

O desafio de Mélénchon é conseguir uma mobilização similar a de 18 de março, durante a campanha presidencial, com mais de 100 mil pessoas nas ruas. O objetivo do líder da França Insubmissa é se estabelecer como principal opositor de Macron.

Os protestos contra a reforma trabalhista, em vigor a partir de hoje, devem continuar na segunda-feira. Sindicatos de caminhoneiros planejam uma greve para bloquear, em particular, o fornecimento de combustível no país para afetar a atividade econômica.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos