PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump diz que Espanha é "um país especial" e com "gente incrível"

26/09/2017 14h58

Washington, 26 set (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta terça-feira que a Espanha é um "país especial", com "gente incrível", durante um almoço de trabalho com o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, e a delegação que o acompanha em sua visita a Washington.

"Lugar especial, país especial, com gente incrível", comentou Trump sobre a Espanha perante os jornalistas ao início desse almoço de trabalho na Casa Branca.

O governante americano destacou que falará com Rajoy sobre o comércio bilateral, ao sublinhar a "honra" de ter o chefe do Governo espanhol de visita hoje na Casa Branca.

Por sua vez, Rajoy enfatizou as "magníficas relações" que existem entre os dois países no âmbito econômico, ao dizer que os Estados Unidos "são o primeiro investidor estrangeiro" na Espanha.

Os Estados Unidos são, além disso, o "segundo país" onde a Espanha mais investe no mundo todo, segundo Rajoy, que acrescentou que o comércio bilateral "está crescendo".

Além disso, Rajoy falou da prioridade compartilhada da luta contra o terrorismo e da cooperação entre os dois países no seio da Otan.

"Estamos muito envolvidos na luta contra o terrorismo lado a lado", assegurou Trump, que acrescentou que a Espanha e os EUA estão "muito, muito unidos" nesse âmbito e compartilham inteligência e informação.

A delegação que acompanha Rajoy é formada pelo ministro de Assuntos Exteriores, Alfonso Dastis; a secretária de Estado de Comunicação, Carmen Martínez Castro; a diretora do Escritório Econômico da Presidência do Governo, Eva Valle; o chefe do gabinete do presidente, Jorge Moragas; e o diretor do Departamento de Internacional da Moncloa, Bernardo de Sicart.

Pela parte americana, no almoço de trabalho estiveram presentes junto a Trump o secretário de Estado, Rex Tillerson; o principal assessor econômico da Casa Branca, Gary Cohn; o genro e assessor do magnata, Jared Kushner; o chefe de gabinete, John Kelly, e o conselheiro adjunto de segurança nacional, Ricky Waddell.

Internacional