Extremistas budistas protestam contra rohingyas em Colombo

Colombo, 27 set (EFE).- Pelo segundo dia consecutivo, extremistas budistas protestaram contra a presença de rohingyas refugiados no Sri Lanka, apesar da desaprovação do governo e das advertências das autoridades de que poderão ser detidos caso ataquem algum membro dessa comunidade muçulmana.

Lideradas por monges budistas de Sinhale Jathika Balamuluwa, uma organização extremista nacionalista, pouco mais de 100 pessoas protestaram na porta do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) em Colombo, a maior cidade do país. De acordo com o organismo da ONU, os manifestantes são contrários ao fato de os rohingyas terem acesso à educação e à moradia e exigem esclarecimentos do governo sobre que nacionalidade será dada aos meninos e meninas deste grupo no país.

O protesto aconteceu um dia depois que os mesmos monges radicais se manifestarem de maneira violenta na frente da casa onde estão 31 rohingyas, o que obrigou a Polícia a retirar os refugiados do local para evitar agressões. Todos foram levados para um centro de imigrantes.

"Se alguém ataca o lar de um refugiado deve ser detido imediatamente, independentemente de ser monge ou não, e todos os que estão com essa pessoa também devem prestar contas com a Justiça", disse hoje o porta-voz do governo do Sri Lanka, Rajitha Senaratne.

Mais cedo, o Executivo emitiu um comunicado explicando que ontem os refugiados foram resgatados pela Polícia no momento em que a manifestação se tornou violenta. O ACNUR expressou preocupação com essa situação e lembrou que, entre os refugiados, há crianças.

Os 31 rohingyas chegaram ao Sri Lanka em abril deste ano depois de serem resgatados pela Marinha. O grupo então foi encaminhado para o ACNUR, que deu a eles uma casa em Mount Lavinia, no subúrbio de Colombo.

"Os monges começaram a protestar agora, mas os refugiados rohingyas chegaram pela primeira vez ao Sri Lanka em 2008. Eram 55 e ficaram até 2013. Outros 101 solicitantes de asilo chegaram depois e foram embora em 2015, antes de nós chegarmos ao poder. Onde estavam os monges?", questionou Senaratne.

Após criticar aqueles que não praticam as doutrinas do budismo, ele lembrou que existem 2 milhões de pessoas do Sri Lanka refugiadas em diferentes partes do mundo por conta da guerra (1983-2009).

Segundo o porta-voz, os rohingyas ficarão no país até o ACNUR encontrar uma nação permanente para eles.

Os rohingyas, uma minoria que vive no oeste de Myanmar, é uma comunidade muçulmana praticamente à margem da sociedade e que o governo não reconhece como seus cidadãos, por defender que são de Bangladesh. Bangladesh, por sua parte, os considera cidadãos de Myanmar e, apesar há anos receber milhares de rohingyas em diferentes ondas de refugiados, concedeu esse status a pouco mais de 30 mil deles.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos