Prostitutas do Paraguai exigem mais proteção institucional

Assunção, 27 set (EFE).- A associação de trabalhadoras sexuais do Paraguai Unidas pela Esperança (Unes) se reuniu nesta quarta-feira em Assunção com o presidente do Senado, ex-presidente do país e ex-bispo católico, Fernando Lugo, para pedir mais proteção perante a "violência institucional" e mais investimento estatal em saúde e prevenção.

Estas são algumas das questões que a Unes quer incluir no futuro projeto de lei de trabalho sexual, ainda em fase elaboração, com o qual pretendem reconhecer a prostituição como uma atividade de trabalho.

A presidente da Unes, Lucy Esquivel, disse aos veículos de imprensa locais após seu encontro com Lugo que uma de suas iniciativas é "a criação de um comitê de monitoramento" do orçamento destinado à saúde para que "se invista muito mais em prevenção".

Lucy solicitou ao Estado mais investimento para que as trabalhadoras sexuais possam estar seguras e explicou que, por enquanto, recebem "informação e suprimentos, como preservativos e materiais educativos".

Também denunciou que esse coletivo sofre violência institucional por parte de policiais e atores judiciais, a quem pretendem dirigir ações de conscientização.

"Apontamos justamente a polícia porque acreditamos que é de uma maneira direta, já que nossas companheiras estão na rua, nos locais e em outros espaços públicos", acrescentou.

A Unes exigiu em junho de 2016 a elaboração de uma lei sobre o trabalho sexual que ampare e proteja as prostitutas da discriminação e da violência da sociedade.

Pelo menos 55 profissionais do sexo foram assassinadas desde a queda da ditadura do Paraguai, em 1989, sem que os crimes tenham sido solucionados, segundo a Unes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos