Igrejas denunciam projeto de lei israelense para tomar propriedades cristãs

Amã, 23 nov (EFE).- O Comitê Executivo do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) pediu nesta quinta-feira que seja retirada uma proposta de lei apresentada no Parlamento israelense que permitiria ao Estado confiscar propriedades das igrejas em Jerusalém Oriental e outros territórios do país.

"O Comitê expressou sua profunda preocupação com o projeto de lei que está sendo discutido no Parlamento que oferece a Israel o poder de expropriar terras e propriedades que pertencem a igrejas sem a sua autorização prévia", disse em comunicado ao final de uma reunião realizada esta semana na capital jordaniana.

Se for aprovada, a lei colocaria em perigo "o futuro das igrejas e da comunidade cristã a longo prazo" e poderia gerar "reações políticas perigosas por parte da comunidade local", segundo a nota.

Além disso, o CMI destacou que este tipo de legislação também ameaça "a existência cristã na Palestina e o status quo em Jerusalém e na Terra Santa".

Durante o encontro, realizado em Amã pela primeira vez desde a criação do CMI, em 1949, também foram feitas denúncias sobre as "pressões e violações contra igrejas e propriedades cristãs" em Jerusalém Oriental, área da cidade ocupada por Israel desde 1967.

Um tribunal israelense emitiu recentemente um veredicto no qual reconhecia a venda de três edifícios da Cidade Velha de Jerusalém, propriedade da igreja greco-ortodoxa, que o anterior patriarca cedeu por 99 anos prorrogáveis a empresas vinculadas a colonos israelenses.

Em virtude do tratado de paz de 1994, Israel reconheceu o direito da Jordânia de cuidar dos santuários cristãos e islâmicos de Jerusalém.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos