PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Putin denuncia caráter "agressivo" de nova estratégia de segurança dos EUA

22/12/2017 11h50

Moscou, 22 dez (EFE).- O presidente russo, Vladimir Putin, denunciou nesta sexta-feira o caráter "agressivo" da nova estratégia de segurança nacional aprovada nesta semana pelo líder americano, Donald Trump.

"Em linguagem diplomática, tem um caráter ofensivo. Em linguagem militar é, sem lugar a dúvidas, agressiva", disse Putin durante uma reunião com altos cargos do Ministério de Defesa.

Putin, que se referia a um documento no qual a Rússia e a China figuram como principais ameaças para os EUA, afirmou que a nova estratégia de segurança não se limita às palavras, já que o orçamento de defesa americano supera US$ 700 bilhões.

Também denunciou que na Europa acontece um aumento "rápido" da infraestrutura militar dos Estados Unidos e da Otan.

"Quando nós desdobramos alguma unidade no nosso território, é interpretrado como uma ameaça para alguém. E quando perto de nossas fronteiras são instaladas bases, infraestruturas e novos sistemas, é visto como algo normal", aduziu.

Além disso, acusou Washington de violar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), colocando em perigo a segurança internacional.

"Sempre estão buscando violações pela nossa parte, mas, enquanto, eles se dedicam a isso precisamente", disse e lembrou que os EUA já se saíram unilateralmente do tratado de defesa antimísseis.

Putin denunciou que os mísseis utilizados para testar a eficácia do escudo antimísseis pelas suas caraterísticas "são idênticos aos mísseis balísticos de médio e curto alcance", uma tecnologia proibida pelo tratado INF, assinado em 1987 pela URSS e EUA.

"Lembro que o Pentágono já atribuíu em 2018 fundos para a criação de um sistema de mísseis móveis terrestres com um alcance de 5,5 mil quilômetros. Dessa forma, os EUA estão levando as coisas à destruição do tratado", afirmou.

Putin considera que os EUA procuram romper definitivamente a paridade nuclear russa-americana com o escudo antimísseis e o desenvolvimento de sistemas comparáveis com o armamento nuclear.

"Tudo isto é feito com um único objetivo, a chantagem", afirmou.

Por isso, destacou a importância de a Rússia continuar desenvolvendo a tríade nuclear: aviões estratégicos, submarinos atômicos e mísseis intercontinentais.

"No final deste ano, o armamento moderno na tríade nuclear alcançou 79% e em 2021 as forças nucleares terrestres devem estar equipadas com 90% de armas modernas", apontou.

Putin destacou que esse armamento moderno inclui sistemas de mísseis capazes de superar qualquer escudo antimísseis, seja atual ou potencial.

Internacional