Santos pede que comunidade internacional não reconheça eleições venezuelanas

Viena, 26 jan (EFE).- O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, insistiu nesta sexta-feira que seu país não reconhecerá o resultado das eleições presidenciais na Venezuela se estas não forem realizadas com as devidas garantias, e pediu à comunidade internacional que faça o mesmo.

"A decisão recente de convocar eleições sem dar as garantias necessárias para que sejam consideradas transparentes, e assim a oposição possa participar com regras de jogo aceitáveis, é uma decisão que tem que ser rejeitada pela comunidade internacional, como é rejeitada pela Colômbia", afirmou.

Santos, em visita oficial a Viena, disse que a Colômbia fez todos os esforços para buscar uma transição pacífica e democrática que qualificou de "necessária".

"Infelizmente, a Venezuela se tornou uma ditadura. A Venezuela está sofrendo uma crise que ninguém imaginava que um país tão rico poderia sofrer", disse o presidente colombiano em um discurso ao lado de seu homólogo austríaco, Alexander Van der Bellen.

Santos também se referiu à postura do Grupo de Lima, integrado por 14 países americanos, entre eles a Colômbia, de exigir garantias para a realização das eleições presidenciais convocadas na Venezuela para antes de maio.

"Se não houver eleições transparentes, se não houver garantias, o Grupo de Lima continuará com uma posição de não reconhecer o que sair de qualquer procedimento que não tenha legitimidade suficiente", advertiu o governante.

"As pessoas lá estão passando fome. Não têm acesso a remédios. Estão realmente sofrendo e isso não convém a ninguém", lamentou.

Nesse sentido, Santos afirmou que a Colômbia e a comunidade internacional ofereceram ajuda alimentar e medicamentos à Venezuela, algo que as autoridades venezuelanas rejeitaram.

"Para nós interessa muito o conforto da Venezuela. Temos uma fronteira muito ampla, 2.200 quilômetros, muitos venezuelanos estão chegando à Colômbia fugindo dessa situação".

Santos se encontrou hoje em Viena com o presidente austríaco e com o chefe do Governo, Sebastian Kurz, bem como outros representantes do mundo político e empresarial.

Durante o encontro foi assinado um memorando de entendimento para promover a cooperação em energias renováveis como a silvicultura, a biomassa agrícola e a energia hidrelétrica, nas quais a Áustria conta com grande experiência.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos